• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    07/01/2020 08h59 - Atualizado em 07/01/2020

    Banco de Leite não tem estoque suficiente

    OS OBJETIVOS DO BANCO DE LEITE, QUE ESTÁ NO 4º ANO DE FUNCIONAMENTO, SÃO: PROMOVER DOAÇÕES, PROTEGER O ALEITAMENTO E FAZER A PASTEURIZAÇÃO

    A coordenadora do Banco de Leite da Santa Casa de Passos, Alessandra Sarno, explica que a quantidade de leite que conseguiram em 2019 não foi suficiente para suprir todas as necessidades do hospital. “O leite é destinado para as crianças atendidas pela Casa e para mães que já estão em seus lares, mas com problemas na amamentação. Conseguimos pasteurizar cerca de 80 litros em 2019, no ano quem vem, a meta é triplicar esse número”, informa.


    Sobre os objetivos e conquistas do Banco, a profissional explica que a promoção e proteção do aleitamento materno, assim como a pasteurização do leite adquirido, são os maiores propósitos. A respeito da quantidade arrecadada, ela disse que entre doações externas e internas, foram pasteurizados cerca de oitenta litros de leite, aproximadamente 40 de cada modalidade. Mas que essa quantia ainda não é suficiente pra atender as necessidades do hospital.


    As doadoras internas são as mães de bebês prematuros, com alguma má formação ou daqueles com doenças cardíacas, que passaram a ser atendidos e operados pela Santa Casa. Já as externas são as mães que estão em casa, em aleitamento materno exclusivo, e que doam para o banco de leite – que será utilizado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) neonatal.


    Sarno esclarece que o leite materno é ideal tanto para os bebês prematuros quanto para os cardíacos. “Os prematuros precisam ter boas condições de imunidade, para ter menos riscos de infecção de enterocolite (inflamação do trato digestivo), e de outras infecções da prematuridade. Para o bebê com problemas no coração, é indispensável porque ajuda na recuperação de cirurgias e para eles ficarem em boas condições no caso de uma possível operação.


    Jaqueline de Paula trabalha na UTI neonatal e começou a doar para o banco no final de 2019. Ela conta que reconhece a grande importância do leite materno para os bebês internados, porque sempre viu as dificuldades que as mães têm para retirar leite para os filhos hospitalizados. “Quando engravidei pensei que, se fosse possível, gostaria de ajudar essas mães. Sei que o leite materno é fundamental para o bebê, sei também o quanto ajuda para sua melhor recuperação, e pensando nesses bebês e nessas mães, assim que tive a minha criança, procurei o banco de leite para começar a doação”, conta Jaqueline.


    A doadora ressalta que o leite materno é extremamente importante para todos os bebês, explicando que é fundamental para aumentar as chances das crianças prematuras se recuperarem, além de prevenir contra infecções, diarreias, entre outras coisas. “Doar leite materno é um gesto que salva vidas!”, finaliza.


    Quem pode doar são as mães que estiverem amamentando apenas seu bebê, em seio materno e que tiverem os exames de pré-natal normais. “Nós também fazemos estes testes de forma rápida. Então elas podem procurar o banco de leite em horário comercial, para que a gente possa fazer o primeiro atendimento e um cadastro. Oferecemos todo o material de doação e buscamos o que for doado em casa”, explica Alessandra. O banco de leite está localizado no quinto andar do Complexo Materno Infantil, na Santa Casa. O telefone é 3529-1568.


    “Contamos com a sensibilidade da comunidade em aderir ao processo de doação de leite. Que a comunidade divulgue para melhoremos a captação em 2020. Nós já conseguimos ter um 2019 razoável, mas a nossa meta é triplicar a quantidade de leite arrecadado”, pede a profissional.


    Há também o atendimento para as mães que já foram para casa e estão com problemas na amamentação. “Elas podem procurar o banco de leite de segunda-feira a sexta feira, no horário de 7h30 às 17h, para que possamos ajudá-las”, esclarece Alesandra.


    “Esse ano nós conseguimos sensibilizar algumas doadoras de algumas cidades da região, como Itaú e Alpinópolis e também estamos fazendo toda a parte de orientação dos profissionais de saúde, mas mesmo assim nós precisamos sensibilizar a comunidade que nós temos uma UTI de mais de vinte leitos e que precisamos da ajuda da comunidade para a doação de leite”, finaliza a coordenadora. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2020 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus