• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    03/01/2020 09h55 - Atualizado em 03/01/2020

    Centenário de Asimov traz reedições

    Autor de mais de 500 livros, entre romances, contos, ensaios e obras de divulgação científica, ele foi um dos três grandes nomes da chamada "era de ouro da ficção científica", nos anos 1950

    Há exatos cem anos, nascia em Petrovich, na Rússia, o escritor e bioquímico Isaac Asimov (1920-1992). Autor de mais de 500 livros, entre romances, contos, ensaios e obras de divulgação científica, ele foi, ao lado de Arthur C. Clarke e Robert A. Heinlein, um dos três grandes nomes da chamada “era de ouro da ficção científica”, nos anos 1950. No entanto, seu trabalho - que vem ganhando diversas reedições recentemente - se prova atual ainda hoje, tendo previsto dilemas cada vez mais relevantes em um mundo tecnológico como o nosso.


    Asimov, cuja família se refugiou nos EUA quando ele tinha três anos, escreveu seus primeiros contos no final da década de 1930 em revistas pulp como a Astounding, de John W. Campbell, e a Amazing Stories, de Raymond A. Palmer. Mas desde o princípio de sua carreira, o autor já se destacava pela visão menos pessimista que imprimia às temáticas já usadas na ficção científica da época.


    Embora tenha sido responsável por criar as Três Leis da Robótica, Asimov não inventou os robôs. A ideia de seres autômatos já existia desde o século 19, em contos como O Homem de Areia (1816), de E.T.A Hoffman, The Bell-Tower (1855), de Herman Melville e O Feitiço e o Feiticeiro (1899), de Ambrose Bierce.


    Durante o século 20, robôs foram explorados exaustivamente pela literatura e pelo cinema. Sobre essa tendência, Asimov escreveu: “Tornou-se muito comum, nas décadas de 1920 e 1930, retratar os robôs como inventos perigosos que invariavelmente destruiriam seus criadores. A moral dessas histórias apontava, repetidas vezes, que ‘há coisas que o homem não deve saber’. No entanto, mesmo quando eu era jovem, não conseguia acreditar que, se o conhecimento oferecesse perigo, a solução seria a ignorância.”


    Essa defesa incondicional da ciência e da busca pelo conhecimento marcaram a carreira de Asimov. O que o tornava diferente dos outros escritores que trataram de robôs na época foi dar a complexidade e as nuances que o assunto pedia. Em seu primeiro conto sobre o tema, Robbie (1940), os elementos já estavam todos lá: seitas de antirrobôs protestam contra a existência dessas máquinas, ao mesmo tempo em que uma criança não consegue superar a perda de seu robô-cuidador. Asimov destaca tanto os lados positivos quanto os negativos. Robbie é carinhoso com a protagonista, mas a insatisfação dos trabalhadores ao perder seus empregos é completamente justificada.


    O termo “robô” foi cunhado pelo pintor e poeta checo Josef Capek “Robota” significa “trabalho forçado” em sérvio e sua raiz é “rab”, escravo. A palavra foi usada pela primeira vez pelo irmão de Joseph, Karel Capek, na peça A Fábrica de Robôs, justamente no ano em que Asimov nasceu. A questão trabalhista dessa temática fica clara em um diálogo da peça entre a presidente da Liga da Humanidade, uma espécie de sindicato, e o gerente da fábrica de robôs: “Que tipo de trabalhador você pensa ser o melhor?”, ele pergunta. “O melhor tipo de trabalhador? Suponho ser o honesto e dedicado”, ela responde. “Não. O melhor tipo de trabalhador é o trabalhador mais barato. O que tem menos necessidades.”


    Um estudo de 2013 publicado pela Universidade de Oxford mostrou que 47% dos empregos nos Estados Unidos correm risco de serem tornados obsoletos por máquinas. Atento a questões que somente hoje vêm recebendo atenção, Asimov já alertava para esse perigo quando o matemático Alan Turing abria caminho para a computação contemporânea - e, consequentemente, para a mecanização do trabalho em curso no século 21.


    O escritor aprofundou essas questões ao tratar do direito robótico e de questões existenciais, sem negligenciar a discussão ética, social e trabalhista envolvendo inteligências artificiais em livros como As Cavernas de Aço (1954) e O Sol Desvelado (1957), que mesclam tramas policialescas em um pano de fundo futurista. Suas histórias nesse nicho inspiraram filmes como O Homem Bicentenário (2000), de Chris Columbus, e Eu, Robô (2004), de Alex Proyas. Em Máquinas Como Eu (2019), Ian McEwan cita as leis de Asimov para falar sobre dilemas envolvendo androides sencientes, provando que o russo-americano ainda é uma bússola moral incontornável do tema.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2020 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus