• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    09/12/2019 09h16 - Atualizado em 09/12/2019

    Walter Faria Borges, o Waltinho, Empresário do Ano 2019 da Federaminas

    Não passa pela minha cabeça ter outra profissão

    Nathália Araújo - Especial para a Folha

    O empresário Walter Faria Borges, mais conhecido como Waltinho, foi o escolhido pela diretoria da Associação Comercial e Industrial de Passos, a Acip, para receber o título de Empresário do Ano, na premiação Sucesso Empresarial, que aconteceu no Passos Clube. Aos 57 anos, Waltinho é divorciado, pai de Stephanie e Fabrício, além de proprietário e fundador do Restaurante e Chopperia Pintado D’Ouro; é ele quem está à frente de todas as atividades do empreendimento. Como um dos pioneiros na Avenida Comendador Francisco Avelino Maia, a nossa estimada “Avenida da Moda”, ele conta a trajetória da empresa e revela que foi muito bem recebido pela sociedade passense. Durante a entrevista, demonstrou muita gratidão pelo título que recebeu e agradeceu a todos que fazem parte da história do Pintado.

    Folha da Manhã - Como recebeu a notícia de que seria homenageado? E como foi a reação dos familiares e colaboradores do seu empreendimento?

    Waltinho – Recebi a notícia de uma forma muito interessante, porque a diretoria da Acip entrou em contato comigo para dizer que era preciso fazer uma reunião aqui no restaurante, mas eu nem imaginei o que seria. Quando eles chegaram, meu filho estava fazendo uma festinha aqui e isso completou o meu momento de alegria. É uma honra muito grande receber esse título! Todos à minha volta ficaram muito felizes, porque isso é resultado de um trabalho conjunto, não só meu. O que me deixa ainda mais feliz é saber que a votação foi unânime, todos da diretoria votaram em mim. Este momento é, realmente, muito gratificante.

    FM - Sobre o prêmio que recebeu em Araxá no último mês, qual é o seu sentimento ao pensar que foi um dos escolhidos entre tantos profissionais para receber o mérito empresarial?

    Waltinho – Então, sobre essa premiação, primeiro eu destaco a nossa cidade porque é o que está acima disso tudo. Passos cresce cada vez mais, tanto em termos de turismo quanto em prestação de serviços, temos as faculdades e muitos outros segmentos que agregam de forma positiva. O turismo, especialmente, influenciou muito no crescimento do restaurante, porque a Serra da Canastra e o Lago de Furnas se tornaram pontos conhecidos nacionalmente. O prêmio que recebi em Araxá se deve ao título de Empresário do Ano que recebo aqui, porque a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Minas Gerais, a Federaminas, faz essa homenagem com representantes de cerca de 80 cidades. Foi uma noite espetacular, um evento para 1200 pessoas, foi muito diferente. Quero também agradecer a todos que saíram de Passos e foram até Araxá para me prestigiar, nunca imaginei viver um momento como aquele e só tenho a agradecer.

    FM - Considera-se um profissional realizado? Se não, o que falta para que isso aconteça?

    Waltinho – Com certeza, me considero um profissional muito realizado. Estou nessa trajetória de trabalho de bar e restaurante há 33 anos e isso já me torna totalmente realizado. Acredito que ainda tenho muitas coisas para viver neste mercado, mas é ótimo saber que o meu trabalho faz com que as pessoas se sintam bem e confortáveis no ambiente. Penso que se alguém sai de sua própria casa e vai até um determinado estabelecimento, é preciso que sintam-se à vontade e feliz. Comigo também é assim, trabalho! Nossa equipe é formada por 42 funcionários e recebemos os clientes com prazer em atender.
    FM - Qual é a história do Pintado D’Ouro e sua trajetória na sua atividade profissional?

    Waltinho – Tudo começou em 1986, em um barzinho cujo nome era “Opção” (hoje onde funciona o Pizzaretto), ficava próximo à Prefeitura, nos mudamos uma vez para outro ponto bem próximo dali e, em 1990 nos mudamos para o porto do Glória. Naquela época, foi um dos bares mais movimentados e creio que se tornou um marco na história dos jovens daquele tempo, foi lá que nasceram muitas amizades e todos estávamos juntos lá. Ficamos no porto por longos 17 anos, foi lá que aprendemos a trabalhar com peixes e isso acabou se tornando a maior referência do Pintado. Depois, retornamos a Passos e criamos o restaurante que vocês conhecem hoje, foi um grande desafio porque era uma proposta ousada, mas deu certo e estamos consolidados neste local há 17 anos. Buscamos sempre estar com os grandes eventos da cidade também, especialmente o Passos Motorcycles, que gera grande movimento.

    FM - Houve algum acontecimento que marcou sua trajetória profissional?

    Waltinho – A época de atuação no porto, com toda certeza, marcou muito a minha trajetória. Fomos muito bem recebidos, fizemos muitos amigos que são ótimos empresários. Isso tudo me marcou muito, porque está enraizado, minha história com os peixes nasceu lá e hoje é uma especialidade.
    FM - Acredita que a concorrência afeta de que forma no movimento do Pintado? Como enfrenta isso?

    Waltinho – De forma alguma, inclusive, reforço mais sobre os restaurantes do porto. Nunca existiu concorrência, como aqui em Passos, quanto mais estabelecimentos existirem, mais opções têm para que os clientes saiam de casa em busca de lazer. Gosto muito de todos que atuam neste mesmo segmento aqui e acredito que também sou bem considerado. Existe espaço para todos! Trabalhar no setor gastronômico é muito dinâmico, então acredito que é um trabalho que existe para ser feito por todos e com muita variedade.

    FM - Já pensou em desistir e seguir outra profissão? O que sente ao pensar na possibilidade?

    Waltinho – Nunca pensei em desistir, agora estamos consolidados, mas o crescimento aumenta o compromisso. Não passa pela minha cabeça ter outra profissão, é aqui que estou criando os meus filhos, vivendo com a minha família e meus funcionários, então hoje digo que sou dono de restaurante e me dedico totalmente a isso, não só durante o expediente, que acontece à noite. Não há como fugir da profissão, é minha vida.

    FM - Pretende sempre continuar à frente das atividades do restaurante?
    Waltinho – Sim, pretendo estar à frente das atividades por muito tempo, sempre junto do público do restaurante. Hoje, aos 57 anos, não penso em outra coisa e tenho que estar presente para cuidar do que é necessário. Se algum dia, um dos meus filhos tiverem interesse em administrar ao meu lado, é a única possibilidade que devo levar em consideração.

    FM - O Pintado foi um dos primeiros estabelecimentos na Avenida Comendador Francisco Avelino Maia. Hoje existem muitos outros estabelecimentos ali, o que você achou dessa expansão concentrada na via?

    Waltinho - Quando chegamos aqui, o setor têxtil da avenida estava vivendo um momento para excelentes negócios, acredito que aqui sempre será a “Avenida da Moda”, mas naquela época as coisas eram diferentes. O Pintado chegou para agregar, para compor o coração da avenida, aqui é um local muito bom. Vejo o crescimento como algo muito natural, as confecções deram espaço para muitos bares e restaurantes. É muito importante porque talvez um segmento saia, e entre outro. O movimento dos bares à noite é muito interessante e deu abertura para muitos empresários.

    FM - O Pintado nasceu no antigo Porto do Glória, que era muito frequentado. Depois da ponte o movimento ali caiu. Você acha que Passos está colocando aquele espaço na lista do “já teve”? Como recuperar aquela que já foi uma grande atração?

    Waltinho - A grande atração era, sem dúvida, a balsa. Era o que oferecia glamour ao local, as pessoas faziam filas e se sentavam nos restaurantes à espera dos carros. Mas não acho que o “já teve” faz parte disso porque é um espaço que sempre vai existir de modo especial. Não como antigamente, seria difícil recuperar aquele movimento, ainda mais com a ponte e considerando os níveis da água, não sei se seria viável para a administração pública.

    FM - Como empresário, qual é o pensamento que deixa como dica ou reflexão para a sociedade passense?

    Waltinho - Vou citar o que sempre digo sobre os cinco pilares que uma empresa deve ter. O primeiro é a família, que nos oferece a base para lutar. O segundo é formado pelos amigos, que são os que nos incentivam e nos apoiam. O terceiro é a equipe de funcionários, que sempre estão ao nosso lado, são pessoas que deixam suas famílias para estar conosco. O quarto pilar, que nos dá credibilidade, são os nossos fornecedores. E o quinto é o cliente que confia no que oferecemos. Essa harmonia deve existir em todas as empresas. Em relação à sociedade passense, só tenho a agradecer porque o Pintado se tornou uma grande referência e, por isso, deixo aqui o meu muito obrigado!
     

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2020 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus