• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    04/12/2019 09h21 - Atualizado em 04/12/2019

    Depressão será maior causa de afastamentos em 2020

    Incentivar mudanças no estilo de vida é essencial para combater o "mal" da próxima década de 20, segundo especialistas

    Ritmo acelerado, prazos curtos para entregas, jornadas estendidas, pressão por resultados. Essas são situações que têm se tornado cada vez mais comuns na vida das pessoas; não à toa muita gente vem sofrendo com efeitos físicos e mentais dessa “nova” rotina.


    Diante desse cenário, a depressão deve ser o principal motivo de afastamentos por doença do trabalho em 2020. A aposta é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que relata que cerca de 6% da população brasileira é diagnosticada com o problema - tornando o Brasil o país mais depressivo da América Latina.

     

    Aumento da depressão

    Durante um encontro sobre saúde básica no Brasil e no mundo, promovido pelo Instituto SAB, em São Paulo, o psiquiatra Ronaldo Laranjeira afirmou que a incidência de doenças cardiovasculares tendem a diminuir nos próximos anos, assim como o câncer. Entretanto, os transtornos mentais têm tendência a aumentar.


    Para ele, até 30% dos indivíduos no mundo terão pelo menos um episódio depressivo durante a vida. Cada vez mais comum, a depressão (CID 10 - F33) é uma doença psiquiátrica crônica, caracterizada por tristeza profunda, perda de interesse, ausência de ânimo e oscilações de humor, que também pode levar a pensamentos suicidas.

     

    Depressão desencadeada pelo trabalho

    Diversos são os motivos que podem desencadear a depressão, incluindo o ambiente profissional. Já dentro do trabalho, a principal causa de depressão é a sensação de incapacidade para atender à demanda ou à função para qual a pessoa foi determinada, segundo uma pesquisa chinesa sobre a doença em empresas.


    Outros fatores que afetam o bem-estar e desempenho no trabalho, afetando a saúde mental dos colaboradores, são: jornadas de trabalho estendidas; percepção de má chefia; falta de tempo para se capacitar mais; ausência de perspectiva de carreira; assédio (sexual e moral); mal-entendidos; conflitos profissionais entre colaboradores; pressão por resultados; prazos de entrega curtos e autocobrança.


    De acordo com o estudo, as profissões que costumam apresentar maior taxa de depressão são aquelas de contato direto com o público, como vendedores e atendentes de telemarketing. Além disso, é possível identificar o problema através de sinais aparentemente simples no dia a dia, que devem ser observados com atenção. Os principais sintomas da depressão no trabalho são: desânimo; desmotivação; falta de iniciativa; falta de energia; improdutividade; isolamento social; dificuldade de concentração; alterações no sono; alterações no apetite; irritabilidade e mau-humor.

     

    Resiliência pessoal

    Nem sempre os fatores desencadeantes da depressão no trabalho estão ligados a um clima organizacional ruim. Isso porque existe a resiliência pessoal, que é a capacidade de superar e suportar pressões e situações inusitadas.


    Cada pessoa tem um nível de resiliência distinto, conforme aspectos biológicos, psicológicos, culturais e educacionais. Por isso, alguns indivíduos são melhores em lidar com adversidades do que outros. Todo trabalho apresenta algum nível de exigência e temos de lidar com isso. Só que há quem tenha dificuldade em perceber, por conta própria, que os graus de sofrimento e queixas em relação ao trabalho são exagerados.

     

    Efeitos do estilo de vida

    Para amenizar as taxas de transtornos mentais relacionados ao trabalho, Ronaldo Laranjeira afirma que é preciso incentivar uma mudança no estilo de vida das pessoas. “Não é uma questão de ter mais psiquiatras disponíveis. Mudar a rotina pode diminuir as taxas de mortalidade e de doenças”, disse o psiquiatra

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2020 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus