• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    08/11/2019 11h28 - Atualizado em 08/11/2019

    Leitor: Foi só uma brincadeira

    É muito mais fácil saber com quem brincar do que se desculpar depois. Esse negócio de brincadeira com quem não se conhece é muito difícil. O tipo da brincadeira nem sempre agrada a todos. É difícil. Brincar? Só com quem não morde. Brincadeira tem limites. Há pessoas que gostam de fazer brincadeiras com outras, mas não aceitam que brinquem com elas. É assim: escolher as brincadeiras e as pessoas para brincar, se não... vai se dar mal. Brincadeira tem hora. Espera aí! Melhor seria somente brincar com gente que consegue separar as coisas. Foi apenas uma brincadeira. Quem de nós não tem amigos e parentes que adoram fazer uma brincadeira, usando como argumento algu ém que esteja presente? Como gostamos de rir dos outros! Muitas vezes, fazem isso na tentativa de criar mais intimidade. Ou mostrar aos demais que já a têm. E não têm nem conhecimento desse alguém!? Fazem gozação em relação ao corpo, ao cabelo, à careca, à voz, à forma de se vestir, ou ao aspecto de sua maneira de se portar? Costumam descredenciar os outros através de gracinhas que, às vezes, esbarram nas formas que não foram ainda aceitas na intimidade. E, quando recebem uma resposta à altura, dizem que estavam só brincando, e que os outros não têm senso de humor. Coisas do tipo... Mas que encontre satisfação em comentar sutilmente que nem todos são capazes de captar, o que seria suficiente para que o agressor se sentisse vingado. Poderíamos fazer esforço maior na tentativa de perceber quando seria melhor perder a piada ao invés de uma amizade. Tudo não passou de uma brincadeira. Será que vale a pena?!

    Fernando de Miranda Jorge - Jacuí/MG 

    Um santo chamado Gilmar

    A Igreja Católica, através do papa atual, está promovendo várias pessoas de bem a santos. Nada mais justo e devido. Todavia, preocupa-nos um detalhe. E se a Igreja resolver promover a santo o ministro Gilmar Mendes?

    Afinal, ele solta todos os que lhe convém, sejam homens e mulheres cheios de penas e pecados. Então, é um homem de bem, logo tem tudo para ser santificado.


    Renato Soares Silva Terra - Belo Horizonte/MG

    Extinção de pequenos municípios

    Esta Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para que os municípios com menos de 5 mil habitantes sejam incorporados pelos municípios vizinhos é um verdadeiro tiro no pé do governo federal. Faltou tato político, e o resultado será bastante negativo para o governo Bolsonaro, valendo lembrar que no próximo ano teremos eleições municipais. Serão prefeitos, vereadores, deputados e a própria população malhando a PEC. Com certeza, não passará no Congresso. Ainda há tempo para consertar a besteira.

    Walter Rosa de Oliveira - São Paulo/SP
     

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus