• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    31/10/2019 11h17 - Atualizado em 31/10/2019

    O turismo e o óleo

    Meio Ambiente

    As manchas de óleo que surgiram nas praias do Nordeste este mês não causaram grande impacto no turismo da região – ainda. Sem saber exatamente de onde vem o petróleo cru e se o número de faixas de areia atingidas deve aumentar ou diminuir, fica difícil fazer uma projeção.

    Com o caso cercado de dúvidas, o setor não deve sentir variações em reservas e cancelamentos nesse primeiro momento. Afinal, viagens de férias costumam ser planejadas com meses de antecedência e cancelar, principalmente em cima da hora, implica arcar com prejuízo financeiro.

     


    Plano B

    De fato, não vale a pena para o turista que tem viagem marcada para o Nordeste mudar de planos agora. As operadoras e agências costumam ter planos B – se uma praia não está em boas condições, sempre é possível visitar outra, fazer um passeio alternativo, curtir a piscina do hotel.

    No entanto, se o problema persistir, é possível que a longo prazo o número de reservas caia nas praias mais atingidas.

     

    Alerta

    A pouco mais de dois meses do início da alta temporada, quem ainda está decidindo para onde viajar pode preferir outro destino, no qual não haja riscos.

    Ainda é cedo para saber. Mas o setor precisa estar em alerta. Além do mercado nacional, o Nordeste também recebe um grande número de turistas estrangeiros, estimulados por voos diretos que chegam principalmente a Fortaleza, Recife e Natal.


    Meio ambiente

    Não dá para desassociar turismo e meio ambiente. Sabemos que o excesso de turistas pode causar danos ambientais, trazer especulação imobiliária, modificar o modo de vida de toda uma população.

    Por outro lado, quando as praias estão sujas, os rios poluídos e os corais mortos, os turistas se vão. Eles continuam viajando, mas trocam de destino. E o impacto para a economia local é direto.

     

    Reflexos

    Os primeiros a perceber são os pequenos comerciantes, muitos deles informais, que usam o turismo como fonte ou complemento de renda. Jangadeiros, ambulantes, pescadores, restaurantes pequenos, pousadas familiares são os primeiros a sentir as consequências.

    Por isso, é importante que os governos, prefeituras, associações e empresários se unam para melhorar a fiscalização não apenas num caso de grandes proporções como o do vazamento de petróleo, mas também no dia a dia. O turismo depende disso. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus