• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    17/10/2019 11h22 - Atualizado em 17/10/2019

    Leitor: O hino da cidade

    Canta, canta, Jacuí, o seu hino, ora bolas! Toda cidade tem seu hino, por que não nossa querida Jacuí? Ele existe. Através dos tempos, as sociedades se organizaram em torno de símbolos que as integravam. As raízes de um povo estão em sua cultura, sua língua, seus hábitos, seus costumes e seu hino. A sensação de ter, pertencer é algo intrínseco ao ser humano. O elo, que permeia essa ligação, é um ideal sempre almejado. Então, em busca da satisfação de tal sensação, as sociedades antigas e modernas criaram e recriaram símbolos: bandeiras, selos, brasões e escudos – estampam a identidade de um povo – mas com t odo o respeito às sociedades e aos referidos símbolos, o símbolo maior de um povo e de uma cidade é o seu hino. Nele, além da marca sonora e da civilidade, há que se destacar a língua falada, os instrumentos, a sua história contada e cantada na sua cultura a ser louvada... No Hino Nacional Brasileiro, por exemplo, há destaque para o povo, bem como para as lideranças que lutaram por um país independente, e o louvor às belezas naturais na “Ilha de Vera Cruz”. Mas nem sempre foi assim. Havia resistência. No Hino de Jacuí, destaca-se a Passagem dos Bandeirantes que vinham e voltavam. E aqui ergueram a nossa cruz. Grandes vultos por aqui passaram. E louvemos os ancestrais, como o Marquês do Paraná, os escravos, que nos legaram seus quilombos como marco forte. Seus rios São Pedro e Santana, suas ruínas, montanhas, minerais e seu clima ameno. O nosso Hino Nacional foi o resultado de uma série de idas e vindas até chegar à letra e formato que é executado atualmente. Venceu barreiras ideológicas e temporais e só se manteve vivo graças à vontade dos brasileiros, que fizeram governos e compositores pseudo eruditos se curvarem à sua vontade. Finalmente, o “hino” é o símbolo de uma cidade e de seu povo. Jacuienses, vamos cantar o nosso hino em exaltação a nossa cidade! Ele existe!

    Fernando de Miranda Jorge - Jacuí/MG

    O amor conjugal

    A beleza humana não reside unicamente na face. Pode ser vista e sentida em todas as direções. A beleza é tridimensional, como uma bola. Quer seja vista de cima, de lado, ou de qualquer direção, uma pessoa tem a sua beleza perfeita. Por isso, vocês não devem descuidadamente avaliar a face da sua esposa. Muitas mulheres bonitas são pobres, mas mulheres virtuosas ou que têm bom destino, são diferentes. Freqüentemente, vemos que mesmo no caso de uma mulher com uma face bonita, depois de ter somente 2 ou 3 filhos, a sua face torna-se estranha. Logo, podemos dizer que aquelas que conservam a beleza, mesmo depois do parto, são mulheres belas. (A Vontade de Deus e o Mundo. 543) S.M.Moon
    Quando, esposo e esposa se amam mutuamente, cada um deve amar o outro como um representante de Deus. Quando se amam de uma perspectiva humanista, as imperfeições de ambos os lados aparecerão, e isto poderá eventualmente conduzir ao divórcio. (Bênção e Família Ideal. 880) S.M.Moon

    Aparecida Baldini – Passos/MG 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus