• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    10/10/2019 10h49 - Atualizado em 10/10/2019

    Leitor: Precipitação extrapola a educação

    A E.E. Lourenço Andrade de Passos, não vai fechar suas portas. Já está garantido pelo Governo a continuidade de suas atividades. Não foi a exaltação da Diretora da Escola e nem de alguns professores foi que conseguiram essa vitória não. O Governo Zema é pautado em técnica e estudos de casos para se chegar a alguma conclusão. O que vimos na cidade nos últimos dias foi um comportamento "estranho" de alguns segmentos cada um parecendo querer para si uma autopromoção em cima de uma notícia ruim e já apontando uma culpada que ao contrário, queria a continuidade das atividades da Escola. A precipitação é inimiga da técnica, do estudo e do bom resultado. Espero que a partir de agora a Escola comece a sair bem nos resultados do Ideb, do Simave, Saeb, etc. que a Escola em questão comece a dar valor nas orientações do Órgão Superior e as coloque em prática para que saia da crise que se encontra há anos. A precipitação é quase um ato de irresponsabilidade, de inconsequência pois oficialmente não está determinado por nenhuma autoridade o fechamento daquele estabelecimento de ensino, pelo menos que eu tenha visto, mas se isto vier a acontecer lembrem-se que a Escola é sua maior responsável. Observei na Superintendente de Ensino Lael Keller inteligência e serenidade para lidar com a questão bem como de toda sua equipe. Parabéns a eles.

    Atenciosamente.

    S.R.C. – Passos/MG

    Presidente teme a Deus

    Como anda nossa fé diante das soberbas, das corrupções, dos roubos, dos malefícios sociais? Habacuque viveu numa época marcada pela violência sem fim e havia muita opressão ao povo promovida pelos reis de Judá. Foi o único profeta que questionou Deus, abertamente, em busca de respostas. A elite governamental estava jogando o país num abismo sem fim. As leis não eram obedecidas pelos poderosos, que faziam o que bem entendessem. Distanciaram-se do direito em benefício próprio e a injustiça causava desigualdades cruéis. Ante essa situação, que era a mesma que vivenciamos nos anos do desgoverno petista autoritário, corrupto e imoral, o profeta pergunta a Deus: 'Por que me fazes ver os crimes e mirar as injustiças?'. E espera uma resposta. Mas Deus mostra que não age dentro dos tempos e das esperas humanas. Age, sim, no tempo devido, mas é importante que os justos mantenham a fé e a fidelidade. O justo viverá pela fé. E os discípulos pedem ao Senhor que lhes aumente a fé, a cada dia, diante de cada ação covarde. O ensinamento que fica é aquele que diz que para superar uma crise de fé é necessário tão somente aumentar a fé. Nós vivemos esses anos de obscuridade total e, agora, estamos vivendo um novo tempo de novas perspectivas e de novas esperanças. Em tão pouco tempo de governo, nossa fé se fez mais presente e já nos mostra caminhos que nunca esperávamos. É preciso ter fé e, acima de tudo, no novo tempo deste presidente que é, antes de tudo, temente a Deus, sincero, honesto e que ama o país. E que Deus aumente, cada dia mais, sua fé diante das tribulações."

    Gege Angelini - Belo Horizonte/MG
     

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus