• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    08/10/2019 11h32 - Atualizado em 08/10/2019

    Opinião: Às crianças (e ao meu amigo Cilinho)

    O (a)s nobres e consideráveis leitore (a)s podem tirar a crase que acompanha a letra A no título. Fica até mais apropriado. As crianças de hoje já nascem sabendo. É incrível o instinto daquele ser pequenininho, que venera a mãe até no mais profundo sono. Parece fantasia, mas é extremamente normal e natural.

    Sabe, escrever sobre meu amigo, professor Aurecílio, corta-me o coração devido à ocasião. Cilinho morreu no sábado – vítima de um problema oncológico (câncer). Ainda muito menino, eu já era seu amigão, pela sua intensa amizade com meu irmão João Batista (Thié). Eles eram membros do inesquecível Mesc (Movimento Especial a Serviço de Cristo) – encontro de jovens da turma da capela de São Francisco de Assis.

    Esquerdista de carteirinha, dia desses Cilinho disse-me que em menos de um ano a população brasileira está sofrendo - devido à tragédia de eleger um presidente membro da extrema direita. Falei para ele muito serenamente: Falta de avisar não foi. Para tirar o PT do poder, havia diversas opções. A turma escolheu o “mito” Bolsonaro…

    Vamos falar de coisa boa. Anteontem (domingo) pedi para minha amiga, poeta e professora aposentada Vilma Rodarte algumas palavras para homenagear as crianças, que têm muito de seus direitos vilipendiados (desprezados) em nosso país. Em uma questão de poucos minutos, Vilma entrega-me o realista e consciente texto que agora tenho a oportunidade de apresentar a todos. Acompanhem: “Feliz Dia das Crianças!

    Olhando rapidamente um folheto de propaganda de supermercado, uma frase chamou-me atenção: Feliz Dia das Crianças!

    Fiquei apreensiva ao questionar-me: Será que as crianças dessa nova geração terão um futuro de paz e realizações?

    São tantos desafios! Nada animadores! Primeiramente destaco a preservação do meio ambiente . Será que essa nova geração terá saúde? Destaco além dessas “pedreiras” outras ainda mais difíceis e violentas: a grande e terrível violência das cidades grandes. Os horríveis crimes de pedofilia, o desordenado uso de todo tipo de drogas (lícitas e ilícitas), a desestruturas das famílias e os crimes de feminicídios.

    A educação sem mérito para educar crianças e jovens de baixa renda, soma de uma política perniciosa de interesses desonestos por parte dos governantes. 

    Pensando dessa maneira, fico triste quase desesperada, incapaz de uma solução.

    Se nem os jovens terão uma universidade de qualidade para preparar um futuro promissor – quanto mais as famílias o terão. Só me resta inclinar meus joelhos e pedir a Deus que nos mande Jesus o mais depressa que Ele puder vir!

    Somente Ele será capaz de governar este planeta com Justiça e amor. Principalmente o nosso querido Brasil. Então, nós que esperamos ansiosos por este retorno glorioso, possamos enfim gritar com muita alegria e energia: Feliz Dia das Crianças.

    PAULO NATIR é Jornalista

    Só me resta inclinar meus joelhos e pedir a Deus que nos mande Jesus

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus