• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    01/10/2019 08h30 - Atualizado em 01/10/2019

    Parque Lauca, entre lagoas e lhamas

    Camelídeos são encontrados por toda parte dentro do parque, que não tem porteiras ou ingresso, mas guarda belezas de sobra

    Thiago Lasco - Especial para a Folha

    Toda simpática, a lhama é a criatura mais pop do grupo. Pelagem fofa como a de um poodle que acabou de sair do pet shop, um sorriso de canto de boca que parece saudar o visitante. A alpaca também tem o corpo recoberto de lã e, por isso, o mesmo aspecto gorducho – mas o pescoço e o focinho são mais curtos. A vicunha é a mais delicada de todas: compacta, delgada, quase uma prima do Bambi de Walt Disney. O guanaco fica no meio do caminho entre a alpaca e a vicunha – é o único que tem a cara preta.


    Depois de um dia inteiro no Parque Nacional Lauca, com as explicações de um bom guia, fica fácil entender quem é quem. O contato com esses animais, todos membros da família dos camelídeos, está entre as experiências mais marcantes da visita. Da janela do carro, o zoom da câmera nem sempre consegue capturar os detalhes dos bichos que surgem ao redor da estrada. Mas há vários trechos, como nas ruínas do povoado de Parinacota, em que é possível avistá-los bem de perto, pastando ou bebendo água em lagos. E, de perto, eles são ainda mais adoráveis.


    Mas há mais para ver. A paisagem é dominada pelo Lago Chungará, de cerca de 15 quilômetros quadrados de extensão, com águas em tom esmeralda que podem estar parcialmente congeladas, a depender da época do ano. Ao seu redor, impõem-se dois vulcões gêmeos sem atividade, Parinacota (cujo cume, a 6.340 metros, é o ponto mais alto do parque) e Pomerape, sempre cobertos de neve. Em uma das extremidades, o lago deságua em várias pequenas lagoas, cercadas por rochas vulcânicas, as Lagunas Cotacotani. Mais de cem espécies de aves, de gaivotas e taguas até flamingos cor-de-rosa, podem ser vistas por ali.


    Portas abertas. É um cenário contemplativo, que pede uma degustação demorada – o que não combina com bate-volta. Até porque, a 4.590 metros de altitude, é preciso entender e aceitar que o corpo passa a funcionar em outro ritmo. Com o ar mais rarefeito, o fôlego fica curto; se você tentar se movimentar na velocidade de sempre, vai se sentir como se estivesse correndo uma maratona.


    O parque se espraia por uma área de 138 mil hectares, sem fronteiras delimitadas ou cobrança de ingresso. A partir de Putre, são pouco mais de 30 km de distância. Você vai percorrendo a Carretera 11, rumo à fronteira com a Bolívia e, de repente, sem maior aviso, surgem os vulcões e o lago à sua esquerda.


    O caminho tem alguns mirantes onde se pode estacionar com segurança e apreciar a vista. Eles são a única estrutura para o visitante: não há sinal de banheiro, lanchonete ou posto de gasolina – por isso, é preciso trazer tudo o que é necessário para passar o dia. Os guias sabem disso – e vêm prevenidos.


    Vocação mochileira. Putre não é mais que um punhado de ruas. Algumas casas de pedra talhada, uma praça, o posto bancário que faz as vezes de casa de câmbio. San Pedro de Atacama também era assim há 25 anos – pelo menos é o que garantem os que frequentavam o vilarejo antes de ele se transformar em destino concorrido.


    Ao lado dos dois únicos hotéis do povoado de 2 mil habitantes, há vários albergues. Vale registrar que Putre foi um dos poucos lugares no meu giro pelo norte do Chile em que encontrei outros viajantes, todos com o mesmo perfil: mochileiros interessados em destinos de aventura.


    Em frente à praça, uma loja vende xales, ponchos, cachecóis e pashminas feitos com lã de diversos tipos. A mais nobre é a de alpaca: fina como seda e, ao mesmo tempo, tem a maior resistência térmica, o que garante proteção contra os ventos gelados que cortam Lauca. A título de comparação, enquanto um poncho de lã de ovelha custa 18 mil pesos (pouco mais de R$ 100), uma peça similar de alpaca chega a 95 mil pesos (R$ 560).

     

    Onde ficar
    -Hotel Apacheta
    (Arica)

    A construção, erguida sobre palafitas quase à beira da praia, é toda de madeira, com desenho modernoso e pegada sustentável. Os quartos, aconchegantes, têm varanda debruçada para o mar, de onde se ouve o canto das gaivotas. No café da manhã, são servidos ovos mexidos feitos na hora, geleias caseiras e iogurte com frutas. Vale a pena jantar por lá: invista no quinotto de frutos do mar (espécie de risoto com quinoa no lugar do arroz) e não perca o pisco sour de goiaba. Diárias desde R$ 387; hotelapacheta.com.

     

    -Codpa Valley Lodge (Codpa) 

    Os quinze chalés são rústicos, mas espaçosos, com pé-direito alto, e ficam ao redor de um gramado com piscina. Pena que não havia água quente no banho durante nossa estada (a gerência garantiu se tratar de um problema passageiro). Encare a falta de Wi-Fi como um convite a se desconectar e releve a simplicidade do desjejum. Diárias desde US$ 120; bit.ly/codpa-valley.

     

    -Hotel Kukuli (Putre)

    Bem localizado, fica a uma curta distância a pé da praça e dos restaurantes. Ao lado da cama confortável há um canto de trabalho com escrivaninha. Por outro lado, o banheiro não serve para hóspedes claustrofóbicos. Um pijama bem quentinho, ou mesmo uma segunda pele, pode ajudar a encarar as noites geladas sem calefação. Diárias desde R$ 267; bit.ly/kukuli-putre. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus