• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    30/09/2019 12h46 - Atualizado em 30/09/2019

    Leitor: Falta foco

    O presidente Jair Bolsonaro perdeu a oportunidade de atrair investidores para o Brasil. Durante seu pronunciamento na ONU, poderia ter destacado a necessidade de obras de infraestrutura, como portos, energia, saneamento, rodovias e ferrovias. O Brasil precisa de recursos externos para se desenvolver e já passa da hora de iniciar novos empreendimentos, que certamente trarão mais trabalho e expulsarão o fantasma do desemprego do País. Bolsonaro está sem foco definido e de nada adianta de prático ficar falando dos erros de outros países e dos governos anteriores.

    José Carlos Saraiva - Belo Horizonte/MG

    Mau tempo

    Há mais ou menos 40 ou 50 anos, quando chovia muito, os antigos usavam a expressão mau tempo. Hoje, a coisa mudou. Estamos vivendo um momento de escassez de chuva bastante preocupante. Fico meditando, ou mesmo indignado, quando a mídia, de um modo geral, se refere a 'mau tempo' quando está chovendo. Acho a expressão forte e desnecessária. Por que não falam 'mau tempo' quando o sol está escaldante? Nessa ocasião, pedem chuva. Se evoluímos e reinventamos, por que não mudar também nesse ponto, com a expressão tempo chuvoso?

    Josué Flausino – Timóteo/MG

    Desanimador

    Os Poderes Legislativo e Judiciário da República estão em rumo de colisão. Motivo: uma liminar concedida pelo ministro Luís Roberto Barroso autorizando operação de busca e apreensão no gabinete do líder do governo no Senado, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). O referido magistrado, após ser comunicado pelo presidente da Corte Suprema, Dias Toffoli, de que um grupo de parlamentares da Casa, liderados pelo seu presidente, Davi Alcolumbre (DEM-AP), se organizara para, em audiência, solicitar reversão da decisão, emitiu nota reiterando que ela fora tomada com base em preceitos constitucionais. O mais lamentável, no entanto, foi o fato de que a ida em caravana ao Supremo Tribunal Federal (STF), impregnada de corporativismo, provocou o adiamento da análise pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da reforma da Previdência, de fundamental importância para o futuro do País, o que, certamente, ocasionará atraso da votação em plenário. Desanimador.

    Paulo Roberto Gotaç - Rio de Janeiro/RJ

    Defesa corporativa

    A alegria que sentimos quando o sr. Davi Alcolumbre foi eleito presidente do Senado, derrotando o sr. Renan Calheiros, durou pouco. Os métodos são os mesmos.

    Cleo Aidar - São Paulo/SP

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus