• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    19/09/2019 10h15 - Atualizado em 19/09/2019

    Oferta de orgânicos ampliada

    Nova aposta dos criadores do Sudoeste de Minas é a produção de leite orgânico

    Ludimila Honorato - Especial para a Folha

    Café, hortaliças, frutas e, em breve, leite. Esta é a lista de produtos orgânicos que estão ganhando espaço nas propriedades de oito municípios do Sudoeste mineiro: Delfinópolis, Claraval, Capetinga, Cássia, Pratápolis, Passos, São João Batista do Glória e Capitólio. De acordo com a Emater-MG, empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), 19 produtores já investem neste nicho de mercado. E a tendência é de crescimento.


    Este ano, começou a ser implantado na região o Sistema Participativo de Conformidade Orgânica (SPG Cooperval), com sede em Claraval, mas que também vai atender municípios vizinhos. Com isso, os produtores vão poder aderir ao Organismo Participativo de Garantia da Qualidade Orgânica (Opac), uma modalidade de certificação reconhecida pelo Ministério da Agricultura.

     

    “Participam do SPG produtores e colaboradores. Os colaboradores são consumidores, instituições de pesquisa e extensão rural, escolas, etc. As propriedades são visitadas por grupos representativos desses dois segmentos.

     

    Tanto produtores como colaboradores, analisam e concluem pela anuência ou não do selo ‘Produto Orgânico do Brasil’, após uma série de verificações de conformidades exigidas do Ministério. Ou seja, os produtores visitam as propriedades dos outros, junto com os colaboradores”, explica a coordenadora técnica regional da Emater-MG, Alice Soares.

     

    Leite orgânico

    A região conta com 11 produtores de café e oito produtores de hortaliça com a certificação orgânica, ligados à Cooperval. Neste grupo, alguns também produzem frutas. O processo de certificação do café, por ser voltado à exportação é feito por auditoria, realizada via Cooperval. A criação do sistema participativo irá ampliar o número de produtores certificados e a inclusão do leite como mais um produto com o selo oficial de orgânico.


    “Vários produtores demonstraram interesse em entrar para esse nicho de mercado do leite orgânico. E há empresas com interesse em receber o produto aqui na região”, afirma a coordenadora. Em agosto, a Emater-MG promoveu um treinamento sobre produção de leite orgânico. Cerca de 60 produtores participaram.


    Alice Soares conta que, durante o curso, foram tratados temas como homeopatia, pastejo rotacionado, caldas fitoterápicas e a legislação orgânica. “O grande desafio é a alimentação dos animais, com o manejo das pastagens, o tipo de capim e os suplementos como silagem de milho ou sorgo.

     

    Pelas normas, o uso de produtos transgênicos, agrotóxicos e adubos químicos solúveis são proibidos. Também não podem ser utilizados produtos químicos para controle de parasitas e da mamite. Já as vacinas, como a da febre aftosa e da brucelose, são obrigatórias”.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus