• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    19/09/2019 10h09 - Atualizado em 19/09/2019

    Seção Livre: Lixão a céu aberto causa problemas para a população

    PASSOS - Moradores da rua Angra dos Reis, no bairro Santa Luzia, próximo do número 703, se queixam de terreno com lixão a céu aberto. Conforme informado por uma moradora entrevistada, a situação é complicada; com a presença de resíduo, o local causa mau cheiro, tem animais mortos e, além de ser um aborrecimento, pode trazer sérios perigos à saúde, pois, propicia o aparecimento de animais peçonhentos, o que tira a segurança dos moradores; constantes queimadas são feitas no terreno, causando poluição, com fumaças que demoram dias para se dissipar, o que pode acarretar vários problemas respiratórios.

    A entrevistada complementou dizendo estar indignada com o descaso que acontece na região.

    “A Prefeitura e a polícia ambiental têm ciência, porém, não fazem nada. Ainda vejo pessoas descartarem o lixo doméstico nessa região”.

    A população cobra a ação dos políticos da cidade, para que tomem iniciativa e pensem nos cidadãos do bairro Santa Luzia. Segundo a Polícia Militar Ambiental (PMAm), o local pode receber resíduos classe A, ou seja, sólidos de construção civil.

    É o chamado de “bota fora”.

    A polícia pede que os moradores denunciem aqueles que estiverem jogando lixo irregular no local, com fotos e placas de carro.

    De acordo com o Decreto nº 47.383, de 02/03/2018, que entrou em vigor em 2018, a multa é de valor alto e o infrator está sujeito às sanções penais e administrativas previstas na Lei 9.605, de 1998.

    Ainda de acordo com a Polícia Militar Ambiental, o dono do terreno está sendo autuado por falta de cumprimento da deliberação normativa (DM), ou seja, o proprietário do local deve fazer uma triagem dos resíduos e deixar no espaço apenas restos de construção, porém, ele não cumpriu com o que foi acordado.

    Resposta:
    A reportagem da Folha encaminhou a reclamação para a assessoria de imprensa da PMP, no entanto, até o encerramento desta edição, não obteve resposta.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus