• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    17/09/2019 11h10 - Atualizado em 17/09/2019

    Dia a Dia: O menininho

    Décio Martins Cançado - Especial para a Folha

    Embora não se tenha nenhuma fórmula pronta, pois cada pessoa é única, educar precisa de cuidados, de muita atenção aos acontecimentos que vão se sucedendo e que necessitam de correção e mudança de rumo. A cada dia surgem novos desafios, novas situações, e os pais têm que estar com a atenção voltada para os detalhes, muitas vezes imperceptíveis, no desenvolvimento dos filhos.

     

    Há aqueles que costumam brincar dizendo que o filho não vem com “manual de instrução”, e por isso ficam desorientados. Há também uma expressão muito comum que diz que os pais, e muitas vezes os professores, ao invés de ‘formarem’ os pequenos, transmitindo-lhes determinados valores para uma convivência social ética e responsável, ‘deformam’ os filhos ou alunos, deixando de transmitir as regras e os conceitos mínimos para uma vida saudável, ou tolhendo a iniciativa e a criatividade deles diante de novas situações.

     

    Uma das coisas mais comuns nesse processo é o fato de o adulto querer transmitir conceitos, sem dar chances para que a criança se manifeste, exponha seus interesses, demonstre suas aptidões e gostos. Uma história interessante nos diz que:

     


    “Era uma vez um menininho. Ele era pequeno e a escola perto de sua casa lhe parecia muito grande. Mas quando descobriu que podia entrar pela porta da frente, e que poderia ir à sua sala de aulas por um pequeno corredor, que se tornou logo familiar, ele ficou feliz. E a escola já não lhe parecia tão grande quanto antes.

     


    Certo dia, a professora começou a aula dizendo: - “Hoje nós iremos fazer um desenho” – “Que bom” - pensou o menininho. Ele gostava muito de fazer desenhos. Podia fazê-los de muitos tipos, de acordo com sua imaginação: leões, tigres, galinhas, vacas, carros e barcos. Ele pegou sua caixa de lápis de cor e começou a desenhar. Mas a professora interveio e disse: - “Espere! Ainda não é hora de começar.” – E esperou até que todos os colegas estivessem prontos. - “Agora” – disse a professora, “nós iremos desenhar flores”. – “Que bom” – pensou o menininho. Ele gostava de desenhar flores também, e começou seu desenho com lápis rosa, laranja e azul.

     

    Mas a professora disse: - “Vou mostrar como fazer” – E desenhou uma flor vermelha de caule verde. – “Assim é que vocês devem desenhar” – disse, mostrando a sua flor – “Todos podem começar!” – Então, ele olhou para sua flor. Ele gostava mais da sua, mas não podia dizer isso. Virou o papel e desenhou uma flor igual à que estava no quadro – vermelha e de caule verde.

     


    Num outro dia, numa aula ao ar livre, a professora disse: - “Hoje iremos fazer uma escultura com o barro.” – “Que bom” – pensou o menininho. Ele gostava de trabalhar com barro, e achou que poderia fazer todas as coisas que quisesse: um elefante, um carro, um cavalo... e começou a amassar sua bola de barro. Mas a professora disse: - “Não é hora de começar” – e esperou até que todos estivessem prontos. – “Nós vamos fazer um prato.” – “Que bom!”.

     

    Ele gostava de fazer pratos de todas as formas e tamanhos. Mas ela continuou: - “Vou mostrar-lhes como se faz” – e mostrou como fazer um prato fundo, dizendo: - “Podem começar.” Ele gostava mais do seu prato, mas não podia dizer. Amassou o barro novamente e fez um prato igual ao que lhe fora sugerido. A partir daí, o menininho passou a esperar, olhar, e fazer as coisas exatamente como a professora dizia. E desde muito cedo não fazia mais coisas por si próprio, como tanto gostava.

     

    O tempo passou, a família mudou-se para outra cidade, e ele foi para outra escola. Maior que a primeira, com corredores enormes e, no seu primeiro dia a nova professora disse: - “Hoje vamos fazer um desenho.” – “Que bom” – pensou ele – e ficou esperando que a professora dissesse o que fazer. Mas ela não disse nada. Apenas andava pela sala, até que veio perto dele e disse: - “Você não quer desenhar?” – “Sim”, ele respondeu – “mas o que vamos desenhar?” – “Eu não sei, até que você faça o seu desenho” – disse a professora. – “Mas, como devo fazê-lo?” – “Da maneira que você gostar”, respondeu ela. – “E de que cor?” – “Se todo mundo fizer o mesmo desenho, e usar as mesmas cores, como eu posso saber quem fez o quê? E quem sabe desenhar bem ou não?” – “Ah! Então eu sei”, disse o menininho. E começou a desenhar ‘uma flor vermelha, de caule verde’!!!”

     


    É lamentável, mas quantas carreiras, quantas vidas, quantas vocações foram tolhidas, em casa ou na escola, em decorrência da eterna mania que os adultos têm de se julgar donos da verdade, de querer comandar os outros, especialmente as crianças e os menos favorecidos pela condição intelectual. Talvez ainda haja tempo para efetuarmos determinadas mudanças em nossas vidas. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus