• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    24/08/2019 11h13 - Atualizado em 24/08/2019

    Letícia Colin viverá uma brilhante médica que perde o controle de sua vida

    Até o mês passado, Letícia Colin estava no ar na Globo como a adorável Marilyn, a musa do sertão, na série cômica Cine Holliúdy.

    A primeira temporada da produção, protagonizada por Edmilson Filho, chegou ao fim já com a promessa de uma nova safra de episódios.

    O humor leve da série e seus saborosos personagens conquistaram o público – e garantiram a continuidade da saga na TV.

    “Eu já admirava o cinema de Edmilson. Então, queria muito me misturar com essa galera e aprender, porque é um humor que adoro, me divirto, é brasileiro, tão autêntico e bem feito pelo pessoal do Ceará. Foi um desafio para mim. E tenho amigos, tenho laços muito próximos”, diz a atriz.

    Mas, enquanto Cine Holliúdy estava sendo exibida, Letícia já se dedicava à gravação de outra série, cuja história traz uma atmosfera totalmente oposta.

    Na densa e dramática Onde Está Meu Coração, série original Globoplay – criada e escrita por George Moura e Sérgio Goldenberg –, a atriz vive Amanda, uma brilhante médica de classe média alta, mas que perde o controle de sua vida após ficar viciada em drogas.

    “O crack a carrega para essa roda de destruição. Ela não consegue mais dar conta do trabalho dela como residente, deixa de ter o controle da vida dela e passa a viver de ir atrás de mais drogas”, descreve ela. “O crack tem essa característica, é destrutivo, é uma coisa que drena a pessoa. Então, ela vai perdendo tudo, vai se colocando em risco.”

    Amanda é filha de David (interpretado por Fábio Assunção), renomado médico, o que, de certa forma, a sufoca. Isso seria um dos estopins para sua jornada de autodestruição.

    “Ela vive sob uma influência intensa do estresse. É uma médica que sai do ambiente da escola e se depara com o dia a dia duro do hospital, porque ela enfrenta ali a questão da perda da vida humana, diferentemente do distanciamento da sala de aula. Ela também tem essa dificuldade de aceitar que a medicina não dá conta de tudo, que não explica tudo”, pondera.

    “Acho que tem uma cobrança pessoal dela com a figura do pai, que é muito bom médico, essa coisa de você não se achar boa o suficiente, essa falta de espaço para colocar suas vulnerabilidades em questão, para desabafar. A gente vai perdendo isso com a pressa, com a correria. A gente vai achando que é desimportante acolher as nossas vulnerabilidades. E a droga está totalmente ligada com vulnerabilidade.”

    Tal e qual a vida real, a família de Amanda também é afetada por sua dependência química.

    O casamento com Miguel (Daniel de Oliveira) entra em colapso; seu pai e sua irmã, Julia (Manu Morelli), tentam entender o que está acontecendo; mas é sua mãe, Sofia (Mariana Lima), que não desiste dela.

    “É a única que fica até o fim, paga dívida da filha, leva para internação. Isso também é o que geralmente acontece fora da ficção.”

    Durante a preparação para a personagem, Letícia conta que visitou locais como o Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod) e a Cracolândia, em São Paulo.

    “Eu também encontrava com algumas pessoas que me contavam um pouco sobre suas histórias pessoais. Isso me ajudou muito. Elas me contavam o que sentiam, porque tem um momento em que a pessoa entra e parece que não tem saída, que é muito difícil recomeçar e se levantar pela vigésima vez da vigésima recaída.”

    A atriz também encontrou apoio no ator Fábio Assunção, que fala abertamente sobre a própria dependência química.

    “Nós como atores usamos muito nossas experiências. Se você vai fazer uma história de amor, você revisita seus encontros românticos, e o Fábio tem muita história de vida e isso é muito rico para o ator. Ele tem um coração gigante, e tem um pensamento muito progressista sobre esse assunto: de drogas, tratamento, políticas de drogas”, comenta a atriz.

    “É um cara que admiro muito. Então, quando alguém tem essa inteligência, essa maturidade para usar essa história pessoal a serviço das coisas, é maravilhoso. E claro que, muitas vezes, eu desabafei, perguntei coisas, queria a opinião dele, mas não acho que tenha sido tão diferente quanto as vezes que perguntei para a Mariana Lima, por exemplo. Todos nós temos histórias.”

    Casada com o ator Michel Melamed – que também está no elenco da série –, Letícia Colin, aos 29 anos, descobriu que estava grávida durante as gravações de Onde Está Meu Coração. Tudo junto e ao mesmo tempo.

    “Sou uma pessoa muito intensa, muito emotiva e sensível desde criança. Levei minha vida sempre de um jeito muito próximo das minhas emoções, dos meus sentimentos. Não tenho medo de me emocionar. Isso tudo me ajudou a não endurecer, não ter medo, falar ‘ok, uma coisa de cada vez’. Tive calma comigo mesma, os 9 meses são para nós dois, para a mãe e para o bebê. As coisas não são imediatas e blocadas. Vou ter tempo de assimilar, como muitas mulheres fazem: trabalhando, vivendo, pagando as contas.”

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus