• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    10/08/2019 10h15 - Atualizado em 10/08/2019

    Opinião: Início da caminhada

    Deputados federais aproveitaram o recesso parlamentar do meio do ano para visitar suas bases eleitorais e sentir a repercussão de suas atuações e votos no primeiro turno da reforma da previdência.

    Como já era de se esperar, encontraram um clima extremamente favorável à reforma e aprovaram o texto em segundo turno, com mais convicção e facilidade, desta vez chancelados pelo eleitorado e pela atuação da oposição, que voltou do recesso sem novidade alguma. Diga-se de passagem, mais um show de Rodrigo Maia (DEM/RJ).

    Aproveitaram também para sentir o andamento das sucessões municipais em suas bases, que começam a esquentar e ganhar forma, mesmo que ainda discretamente. Medir a força do seu grupo político local, ou do que pretende se aliar, é tarefa de primeira hora para traçar de forma cirúrgica a atuação dos deputados neste segundo semestre, visando os resultados de 2020.

    As principais capitais do país desenham eleições conturbadas, sem favoritos absolutos, e que colocarão em teste o peso do apoio do Presidente Bolsonaro e dos atuais governadores.

    No Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella (PRB) parece ainda não saber onde está e não tem identidade alguma com a cidade que governa, contando com pequenas condições de reeleição, mesmo com o eventual apoio do Governador Wilson Witzel (PSC), que parecia extremamente alinhado com o candidato de Bolsonaro à prefeitura, deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL).

    Nome natural na disputa, o ex prefeito Eduardo Paes, atualmente no DEM, aparece como favorito, ama o Rio de Janeiro e reflete tudo aquilo que o carioca é e busca para sua cidade, podendo contar ainda com uma “aliança branca” entre ele e Witzel, que o derrotou no segundo turno de 2018. E a esquerda, irá se unir em torno do nome de Marcelo Freixo, ou o PT lançará Benedita da Silva ou Lindbergh Farias? E o mais importante, qual o caminho do vereador Carlos Bolsonaro?

    Em São Paulo, o quadro parece ainda mais indefinido.

    Isso porque, o próprio PSL conta com dois pré candidatos à maior prefeitura do país, Senador Major Olímpio e deputada Joice Hasselmann, isso sem falar na possível filiação do apresentador José Luiz Datena.

    O atual prefeito, Bruno Covas, encontra resistência no próprio PSDB e busca colar sua imagem na do governador e correligionário, João Dória, que certamente não pretende desagradar Jair Bolsonaro. O nome de Haddad, que não foi um bom prefeito, parece estar fora da disputa e a esquerda busca se unir em tono de ex governador Márcio França.

    Já em Belo Horizonte, o atual prefeito, Alexandre Kalil, agora no PSD de Gilberto Kassab, busca sua reeleição mirando 2022, e já disse que seu vice é ele quem escolhe, afinal, poderá assumir a prefeitura de Belo Horizonte no meio do caminho, sendo peça fundamental no processo eleitoral rumo ao Palácio da Liberdade, que deve disputar com o Senador Rodrigo Pacheco.

    Como pequenas são as possibilidades de que as eleições sejam definidas no primeiro turno, outros nomes ganham força na disputa, como o do deputado estadual João Vitor Xavier, do Cidadania. E o PSDB, como irá se comportar na capital do estado de Aécio Neves?

    Relembrando as sábias lições do velho Magalhães Pinto, política é como nuvem, você olha está de um jeito, olha de novo e já mudou. Vamos aguardar.

    JOÃO PAULO CASTRO FERREIRA é advogado, vereador na cidade de Carmo do Rio Claro e secretário da Comissão Especial em Defesa dos Municípios do Conselho Federal da OAB


    AS PRINCIPAIS CAPITAIS DO PAÍS DESENHAM ELEIÇÕES CONTURBADAS 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus