• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    07/08/2019 08h29 - Atualizado em 07/08/2019

    Grupo Corpo faz dança que ensina a ouvir

    Ao longo desses 44 anos, os movimentos de Rodrigo Pederneiras ofereceram possibilidades de escuta de grandes nomes da música, como Tom Zé, Caetano Veloso, José Miguel Wisnik. Agora, é a vez de Gilberto Gil

    Fernanda Perniciotti - Especial para a Folha

    Quando, em 1975, o Grupo Corpo estreava sua primeira coreografia, Maria Maria, com trilha sonora de Milton Nascimento, uma tradição começava a ser construída: uma dança que ensina a ouvir. Ao longo desses 44 anos, os movimentos de Rodrigo Pederneiras ofereceram possibilidades de escuta de grandes nomes da música brasileira, como Tom Zé, Caetano Veloso, José Miguel Wisnik. Agora, é a vez de Gilberto Gil, no trabalho que leva o seu nome. Gil fica em cartaz de quarta-feira, 7, ao dia 18 de agosto, na Temporada de Dança do Teatro Alfa, em São Paulo, em um programa que também apresenta Sete ou Oito Peças para um Ballet (1994).


    Não é a primeira vez que o músico baiano recebe um convite para trabalhar com dança. Em 1995, ao lado de Carlinhos Brown, Gil assinou a trilha de Z, da coreógrafa senegalesa Germaine Acogny para o Balé da Cidade de São Paulo. Dessa vez, o convite vem com uma responsabilidade a mais. “Tive um certo receio, especialmente porque eles, já ao me fazer o convite, manifestaram o interesse de denominar essa peça Gil. Aí, eu fiquei mais preocupado. O que é a música do Gil e, especialmente, o que é a música do Gil feita para um mundo todo coreográfico? Isso, de uma certa forma, já induzia a condução do trabalho”, explica Gilberto Gil.


    A escolha de nomear a obra desde o início foi uma inversão no processo habitual do Corpo. “Normalmente, quando a gente escolhe algum compositor, uma das últimas coisas é o nome. E esse começou com Gil, o que me trouxe a responsabilidade ter o nome de uma pessoa com essa trajetória. Me soou até como uma presunção: quem é a gente pra fazer um trabalho com o nome Gil?”, diz, bem-humorado, o diretor artístico Paulo Pederneiras, e completa: “Gil é tanta coisa: África, Bahia, e não só. É impossível dizer tudo o que representa o pensamento dele. Como você representa isso? Mas é justamente disso que se trata: não é para representar. Quando você faz uma obra, o ponto de partida não garante, de maneira alguma, o resultado. Mas, dessa vez, o nosso ponto de partida é muito nobre, e com isso, uma dúvida: como começar?”.


    A trilha de 40 minutos, explica Gil, foi dividida em quatro ambientes musicais: choro instrumental, uma abordagem camerística - com inspiração de Brahms ou Satie, improvisação e a construção abstrata de figuras geométricas. O público vai reconhecer fragmentos de xodós da MPB, como Aquele Abraço, Andar com Fé, Toda Menina Baiana, Sítio do Pica Pau Amarelo, mas com organização sonora envolta de tambores, distorções eletrônicas, afoxé, entre outros elementos; com um grand finale de um poema concreto que transborda e desvirtua a palavra corpo: cravo, cedro, flora, palco, perna, braço, pedra.


    Com protagonismo de Xangô, a introdução é de um Alujá, ritmo característico desse orixá no candomblé, e do gesto que demonstra a sua presença no terreiro (“uma das mãos do bailarino bate no peito e a outra, nas costas”). Elementos de cultura afro permeiam a construção da nova obra, mas vale lembrar que a presença de tessituras afro-brasileiras é parte da história do Grupo, e não só em Gira (2017) e Gil, em que ficam proeminentes. “Claro, a coisa se radicalizou, mas a questão afro-brasileira sempre esteve, um pouco mais ou um pouco menos, dependendo da música. Eu faço a partir da música mesmo. O Gil me dá muitas brechas, deixas, espaços, como o Meta-Meta (trilha de Gira) também me deu, de jeitos completamente diferentes”, conta Rodrigo Pederneiras, o coreógrafo do Corpo.


    Reverência

    A luz ainda está em processo de construção e, ao que tudo indica, só ficará pronta às vésperas da estreia. A aposta, de Gabriel e Paulo Pederneiras, no uso do recurso de moving lights, tem dado dor de cabeça técnica: 10 horas para montar apenas 7 minutos. O cenário promete um grande tapete amarelo, quase como uma reverência à figura de Gilberto Gil, e figurinos de malhas pretas, com recortes que remetem à obra da artista plástica Joana Lira, assinados, como sempre, por Freusa Zechmeister. Para Paulo, trata-se da composição de uma “brasilidade moderna”.


    A proposta da coreografia de Rodrigo Pederneiras é inventar um outro jeito de ouvir a partir do movimento: “Não tenho uma história para contar. Não é figurativo, não é narrativo. O jogo é fazer com que as pessoas escutem de outra maneira através do corpo. A música é um mergulho mesmo.  

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus