• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    01/08/2019 08h49 - Atualizado em 01/08/2019

    Crimes reais alimentam séries

    Documentários e obras de ficção reconstituem delitos históricos como o assassinato do estilista italiano Gianni Versace

    Thaís Ferraz - Especial para a Folha

    A realidade supera a ficção com frequência - talvez por isso séries que reconstituem crimes reais tenham tanto apelo para o público. De ficção a documentário, retratando histórias muito populares ou pouco conhecidas, diversos títulos recentes fizeram sucesso ao investigar o passado.


    Expoente máxima do subgênero ‘true crime’, a série Making a Murderer (2015), da Netflix, conta a história de Steven Avery, um americano condenado a 18 anos de prisão por tentativa de estupro e homicídio. A partir de entrevistas, documentos e vídeos oficiais, as diretoras Laura Ricciardi e Moira Demos fazem um registro cronológico da acusação e condenação de Avery, enquanto trabalham com a hipótese de sua inocência.


    O lançamento da série gerou opinião pública favorável a Steven - a Casa Branca recebeu um abaixo-assinado com mais de 130 mil assinaturas pedindo o perdão presidencial.


    Também da Netflix, a antologia American Crime Story dedica uma temporada para cada crime real que retrata. A primeira, lançada em 2016, aborda o caso O. J. Simpson, astro esportivo acusado de assassinato. A segunda, de 2018, reconstitui a morte do estilista italiano Gianni Versace, assassinado na porta de casa pelo serial killer Andrew Cunanan.


    A gigante do streaming ainda produz The Keepers, que explora o homicídio da irmã Catherine Cesnik, até hoje não solucionado.


    Na HBO, a série Lorena narra a história real de Lorena Bobbit que, em 1993, cortou o pênis de seu marido, John, após ser agredida e violentada por ele. O caso, que fez manchetes em todo o mundo à época, virou série com direção de Jordan Peele (Us). A história é contada a partir de entrevistas com Lorena, John e policiais que trabalharam no caso.


    A história de Dee Dee e Gypsy, mãe e filha americanas, é quase inacreditável. Por anos, Dee Dee, que sofria da rara síndrome de Munchausen (um distúrbio mental em que um pai ou outro cuidador exagera, fabrica ou induz doença em uma pessoa sob seus cuidados para obter simpatia ou atenção), fez sua própria filha de refém por décadas e terminou assassinada por ela. O crime inspirou a série The Act, da Hulu.


    Crimes clássicos brasileiros não ficam de fora das séries. Com várias temporadas, Investigação Criminal retoma os crimes mais chocantes do Brasil, incluindo os casos de Isabella Nardoni, Maníaco do Parque e Suzane Von Richthofen. A recente Bandidos na TV conta a história de Wallace Souza, apresentador acusado de mandar matar por audiência. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus