• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    23/07/2019 08h52 - Atualizado em 23/07/2019

    Reflexões devem marcar o 3º dia do FNTP

    TODAS AS APRESENTAÇões do festival nacional de teatro de passos SÃO GRATUITAS E ACONTECEM EM PONTOS Da cidade, COMO O TEATRO ROTARY, AS PRAÇAS E A ESTAÇÃO CULTURA

    Nathália Araújo - Especial para a Folha

    O 3º Festival Nacional de Teatro de Passos já começou e a cultura está tomando conta da cidade. A programação reúne dezenas de espetáculos produzidos por grupos teatrais de todo o país, além de oficinas, exposições e intervenções artísticas que acontecem ao longo de todos os dias, de forma gratuita e aberta ao público. O evento é uma realização da Associação de Desenvolvimento Cultural Regional, a Adesc; em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e Patrimônio Histórico.
     Nesta edição, os vencedores de cada categoria serão premiados com o troféu Gilda Parenti e; para complementar, a coordenação do evento propõem uma conversa entre os artistas e o corpo de jurados, com a presença da plateia. O intuito é promover um debate com críticas e apurações acerca das diferentes sensações que cada proposta oferece ao espectador, amadurecendo a recepção das ideias apresentadas.
     Todo o festival será realizado no Teatro Rotary, no Palácio da Cultura, na Estação Cultura, na Praça Monsenhor Messias Bragabça (Praça da Matriz), na praça Geraldo da Silva Maia (Praça do Rosário), na praça do Cristo, no Teatro Coliseum, na Casa Jorcelino e, em Carmo do Rio Claro, na Pracinha do Boi.
    Acompanhe a programação de hoje:

    Des Espera – Yepoca Cia de Teatro
    A apresentação acontece às 13h, com duração de 60 minutos, no Teatro Rotary e tem classificação indicativa para maiores de 10 anos. O espetáculo, não verbal, se utiliza das linguagens da pantomima, do palhaço, abstração e manipulação de objetos. Técnicas que Bruno Godinho desenvolve e pesquisa dentro da Yepocá. É umma história para todos, onde se vivenciam a perda, o encontro, o amor, o desencontro, a espera, o nosso desespero de cada dia, as despedidas, um recomeço, o lidar com o tempo, o reencontro e o entendimento de cada um, da passagem do tempo e da vida.

    Resquício – La Luna Cia de Teatro
    O início do espetáculo será às 18h, na Praça do Cristo, também com duração de 60 minutos e classificação indicativa para maiores de 10 anos. O espetáculo traz em suas entrelinhas, a vida de duas artistas de circo que fazem das ruas das cidades, seu picadeiro. No tema do espetáculo, o ofício artístico ganha foco principal, levando a ideia de que a arte é um possível caminho para a transformação do mundo, já que é através dela, que conhecimento, alegria e um outro modo de entender a vida chegam à sociedade; essas artistas moram na rua e seguem suas vidas em busca de público interessado em sua arte. Em meio ao caos da cidade suja e cinza, a poeira e o pó enfeitam os escombros do que um dia foi, mas não podendo deixar de ser o que era.

    Os Negros – Coletivo Impossível
    O horário para o grupo entrar em cena é às 20h, no Teatro Rotary, com 80 minutos de duração e classificação indicativa livre para todas as idades. Em Os Negros, um tribunal é instalado para que uma corte composta por brancos julgue os crimes supostamente atribuídos a um grupo de negros. Entre cômicos depoimentos e estranhas reconstituições, logo é possível perceber que uma grande farsa fora montada para chamar a atenção para questões raciais.

    À Beira do Nada – Grupo Teatral Tramas e Dramas
    A peça está marcada para às 22h30, no Teatro Coliseum; são 40 minutos de apresentação com conteúdo livre para todas as idades. Dois atores, um teatro! Esse é o cenário da peça “À Beira do Nada”, que explora a metalinguagem e traz à tona discussões pertinentes ao teatro e à vida dos atores, mas também, são pertinentes aos questionamentos individuais, como “Quem somos?”, “Por que existimos?”, “Quantas máscaras usamos?”. Os atores/personagens se encontram em um jogo constante, à procura de uma saída para estrear o espetáculo e, quando tudo parece estar perdido, a esperança volta.
    Além das apresentações de teatro, as intervenções artísticas acontecem nas filas antes de cada sessão e as exposiçãoes são:
    - Exposição fotográfica: Ameríndos do Brasil, de Renato Soares; e exposição de esculturas: Vermelho Cor de Sangue, de Jair Soares Júnior; na Casa Jorcelino.
    - Na Estação Cultura, a exposição de quadros: Congadeiros, de Roseymar Zaroni. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus