• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    22/07/2019 08h06 - Atualizado em 22/07/2019

    Veja as vantagens e desvantagens de morar em uma casa geminada

    Entre preço mais barato e menos privacidade, existem vários pontos que devem ser analisados antes de optar pelo modelo

    As casas geminadas são aquelas construídas coladas umas na outras, podendo ser duas ou mais. Elas têm o visual idêntico e compartilham parte da estrutura, como paredes e telhado. Hoje em dia, esse tipo de construção ganhou espaço no mercado imobiliário, principalmente em condomínios fechados. Os proprietários de terrenos grandes aproveitam para construir várias moradias no lugar de uma e, desta forma, conseguir otimizar custos e lucrar mais com elas.
     Para quem está procurando um imóvel para comprar, as casas geminadas podem ser uma escolha positiva porque costumam apresentar preços mais acessíveis. Por outro lado, as casas são individuais e compartilhar os espaços podem gerar alguns desafios. Confira as vantagens e desvantagens de morar em casas geminadas.

    Preço
     Uma das principais vantagens em relação a uma casa geminada é que ela pode sair mais barata e isso não significa que a qualidade ou a localização são piores. É possível encontrar uma casa geminada dentro das características que estão sendo procuradas.
     “Uma casa geminada tem o compartilhamento do mesmo lote, no qual se constroem duas casas ou mais. Isso gera economia porque compartilha o espaço”, explica a advogada Juliana Longman, especialista em Direito Imobiliário do escritório Da Fonte Advogados.

     

    Regularização
     Mesmo que o preço seja um atrativo, ainda assim é preciso tomar alguns cuidados para que o imóvel seja regularizado. “É importante regularizar perante o cartório de registro de imóveis, precisa registrar como um mini condomínio para que duas ou mais casas coexistam ou dividir o lote em dois ou mais e transformar em duas matrículas”, acrescenta.
     A questão é de extrema importância principalmente para evitar problemas futuros. “É preciso definir o que é área comum e área privativa para poder ter um imóvel que seja só do comprador para que ele possa regularizar e responder por ele, inclusive para poder vender, alugar ou hipotecar“, acrescenta.

    Áreas comuns
     Apesar de cada casa contar com uma entrada individual, as áreas comuns costumam ser compartilhadas, como áreas de lazer, jardins e áreas de serviço. Por um lado, tem o aspecto positivo. “Nas áreas comuns, os custos de manutenção serão rateados e vão pesar menos no bolso de cada morador“, explica a advogada.
     Por outro lado, é preciso que se criem regras de convivência para evitar conflitos entre eles. “É importante que se crie uma constituição que precisa ser regulamentada para uma convivência pacífica. Desta forma, vai ter uma área comum com uso regulamentado”, completa.

    Manutenção
     Partes das infraestrutura das casas geminadas são compartilhadas. Muitas vezes, elas compartilham os telhados e também algumas paredes. E isso pode gerar alguns transtornos que vão precisar ser resolvidos entre os vizinhos para não causar um problema na casa ao lado ou entre os moradores. Qualquer mudança na fachada, por exemplo, deve ser acordada entre os vizinhos.
     A manutenção requer um cuidado maior nas casas geminadas. “Muitas delas têm madeiras que são compartilhadas no teto ou muito próximas da outra e isso pode ajudar na proliferação de cupins, por exemplo. Aí precisa fazer dedetização do seu telhado e do vizinho também”, afirma Luciano Novaes, vice-presidente do Sindicato da Habitação de Pernambuco (Secovi-PE).
     “Além disso, imagine que precise fazer uma obra em uma parede que é compartilhada, como uma infiltração, isso significa que vai ter que mexer na parede do vizinho também”, comenta a advogada Juliana Longman. Para evitar qualquer tipo de desgaste, é importante que fique definido de quem será a responsabilidade de arcar com os custos ou se serão divididos.

     Privacidade
     A privacidade é outra questão que precisa ser ponderada. Justamente por compartilhar algumas paredes, é natural que a acústica não seja perfeita. Em muitos casos, é possível ouvir o que está sendo falado na casa vizinha. Sem contar que se o vizinho decide fazer uma festa, o barulho pode ser um incômodo. Além disso, o compartilhamento de áreas comuns exige uma maior convivência, o que nem sempre é fácil quando o assunto são os vizinhos.

    Apoio
     Porém, justamente essa convivência pode acabar criando a possibilidade de se formar uma amizade entre os vizinhos e uma rede de apoio. Enquanto um morador viaja, o outro pode ficar na casa do outro durante a ausência ou até mesmo organizar as contas e ajudar a cuidar dos pets. Além disso, fica a certeza que é comum que sempre tenha alguém por perto, aumentando a segurança.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus