• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    27/06/2019 09h06 - Atualizado em 27/06/2019

    Um show de tecnologia

    Linha 2020 da picape da Ford ganhou leve atualização e vários recursos eletrônicos não disponíveis nas rivais

    Hairton Ponciano - Especial para o Folha Motors

    A picape Ranger mudou na linha 2020, mas, embora a Ford garanta que “mais de 600 peças tenham sido redesenhadas”, encontrar as diferenças exige meticulosidade. As atualizações estão na dianteira, tampa traseira, suspensão, câmbio e soluções eletrônicas.
    Os preços foram mantidos. A versão de topo da linha, Limited, como a avaliada, tem tabela a partir de R$ 188.990. A picape feita na Argentina tem cabine dupla, motor 3.2 turbodiesel de cinco cilindros, câmbio automático de seis marchas e tração 4x4. A linha 2020 estará à venda a partir do fim do mês que vem.
    A grade ganhou dois frisos horizontais e a parte cromada diminuiu. O para-choque também mudou, incluindo as luzes de neblina. Os faróis agora são compostos de LEDs (luz diurna), xenônio (luz baixa) e lâmpadas halógenas (alta).
    Os estribos, que eram tubulares, agora são planos e mais largos. Atrás, a novidade é o sistema de molas, que deixou a tampa bem mais leve. Segundo dados da Ford, o modelo anterior exercia um peso de 12 kg. Agora, representa apenas 3 kg.
    A versão Limited recebeu chave presencial e partida do motor por botão. Há leves mudanças no console e na alavanca de câmbio. Também ganhou assistente de frenagem autônoma com detecção de pedestres, monitoramento de pressão dos pneus e reconhecimento de placas de trânsito, como as de velocidade.
    No quesito eletrônica, a Ford está bem à frente da concorrência. A picape já oferecia sistemas que indica saída involuntária de faixa, com correção automática do volante, controlador de velocidade adaptativo (acompanha o fluxo de trânsito) e farol alto automático.
    A suspensão foi recalibrada, para aumentar o conforto. E a barra estabilizadora foi reposicionada, com o objetivo de melhorar a dirigibilidade.
    Em movimento, a picape agrada. Vibra pouco na terra e tem desempenho muito bom. Na versão Limited, há sete air bags e ar-condicionado digital de duas zonas. A garantia é a maior da categoria: cinco anos.
    Dos pontos negativos, a tampa do porta-luvas desce de uma vez. Falta, também, amortecimento aos apoios de mão no teto. E a coluna de direção não tem ajuste de profundidade.

    Evolução do segmento

    A Ford Ranger foi a picape média que mais cresceu em participação no mercado desde o lançamento da sua nova plataforma, em 2012, com um avanço de 70% nas vendas – de 9,4% para 16,1%, ficando em terceiro lugar no segmento.
    Ao mesmo tempo, ela apresentou uma mudança positiva no mix: em 2013, 61% das vendas da linha eram formadas pelas versões de entrada e flex. Com a renovação introduzida em 2016 essa proporção se inverteu: as versões médias e de topo passaram a responder por mais de 80% das vendas.
    A Ranger teve também um avanço perceptível na avaliação dos consumidores, que apontam os atributos de qualidade, prazer de dirigir, dirigibilidade, inovação, tecnologia e confiança como seus pontos fortes. Ela é hoje a picape com o menor índice de falhas do segmento e no último ano mais que triplicou as recomendações positivas nas mídias sociais, além de ser a segunda em buscas.
    “Tudo isso é resultado de investimentos de milhões de dólares na qualidade do produto”, diz Maurício Greco, diretor de Marketing da Ford América do Sul. “A Ranger é um produto importante para a Ford, que é especialista em picapes. Prova disso são as melhorias introduzidas agora, todas desenvolvidas com focono consumidor, especialmente do agronegócio, que usa a picape tanto para o trabalho como para o lazer.”
    O segmento de picapes tem um comportamento diferenciado dentro da indústria. De 2012 a 2018, o mercado de veículos como um todo caiu 32%,enquanto o de picapes teve um impacto menor, de 21% – de 161.469 unidades para 127.510.
    O principal consumidor desses veículos é o ligado ao agronegócio. Ou seja, um profissional que tem tecnologia de ponta em tudo o que faz e busca máxima produtividade, com decisões inteligentes. 

    Mais sobre a editoria

    07 de Novembro de 2019
  • 31 de Outubro de 2019
  • 24 de Outubro de 2019
  • 17 de Outubro de 2019
  • 10 de Outubro de 2019
  • 03 de Outubro de 2019
  • 26 de Setembro de 2019
  • 19 de Setembro de 2019
  • 12 de Setembro de 2019
  • 05 de Setembro de 2019
  • Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus