• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    25/06/2019 08h37 - Atualizado em 25/06/2019

    O outro ângulo de Ubatuba

    Programas operados por indígenas e quilombolas revelam heranças culturais em meio à beleza da Mata Atlântica

    Mônica Nobrega - Especial para a Folha

    Do alto, Ubatuba é ainda mais bonita. São apenas 2 quilômetros de estrada de chão que começam na Rio-Santos e serpenteiam Serra do Mar acima, na direção do “sertão”, para ter certeza disso. Uma escola e um posto de saúde assinalam a entrada da Aldeia Boa Vista. O nome desta aldeia guarani é autoexplicativo: desse ponto se descortinam, lá embaixo, a ilha do Prumirim, a praia de mesmo nome, o mar e a linha do horizonte, em um dos cenários mais espetaculares da badalada cidade do litoral paulista.
     Embora estabelecida na década de 1960 e oficialmente reconhecida como terra indígena pertencente aos guaranis em 1987, a aldeia Boa Vista é, de certa forma, uma novidade em Ubatuba. Abriu recentemente suas portas ao turismo, de forma planejada e executada por seu próprio povo. Receber visitantes é uma fonte de renda para a aldeia e também uma oportunidade de divulgar cultura e o modo de vida dos guaranis.
    Os moradores da Boa Vista não estão fazendo isso sozinhos. Reunidas no Fórum de Comunidades Tradicionais Angra, Paraty e Ubatuba (preservareresistir.org), várias aldeias indígenas e terras quilombolas vêm criando roteiros turísticos com o objetivo de divulgar a importância de sua luta para a preservação dos direitos dessas populações e também para a conservação do meio ambiente. Criaram a Rede Nhandereko, que opera como uma agência de turismo receptivo do grupo. Os roteiros foram lançados em março.
    São passeios cheios de diversão, encantamento e imersão na natureza. Há trilhas, banho de rio e cachoeira, comida da terra, história. Os roteiros são desenhados e guiados por moradores - é turismo de base comunitária - e já começaram a despertar interesse do mercado do turismo convencional de Ubatuba.
    Criada há dois anos por oito sócios ligados em meio ambiente e cultura, a agência Ecotuba (ecotuba.com.br) se tornou a principal parceira das comunidades tradicionais de Ubatuba e região na divulgação e operação dos passeios. Há também uma dúzia de hospedagens que oferecem os roteiros como opção a seus hóspedes, como o Itamambuca Eco Resort (itamambuca.com.br).
    Itamambuca é a minha praia favorita em Ubatuba desde os acampamentos com amigos na adolescência, e reafirmou seu lugar no meu coração na minha recente visita, em família, há algumas semanas. Com meu filho de 8 anos, fui com a proposta de desbravar a natureza local para além das praias. Nossa estada de quatro noites no Itamambuca Eco Resort - ficar aqui era um desejo antigo - teve passeios pelas comunidades tradicionais, observação de pássaros, esportes aquáticos, além de sol e mar.
    Um formato de viagem que cabe perfeitamente nesta época do ano, que na Rio-Santos tem tempo firme, bastante sol e temperaturas amenas. Ou seja, ótimo para olhar também para o “sertão” - no litoral norte paulista, sertão é quase tudo que está entre a rodovia e a serra, lado oposto ao mar - e submergir na beleza da Mata Atlântica. Que está logo ali, exuberante e pouco visitada, e que convida a enxergar até as praias de um outro jeito. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus