• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    21/05/2019 09h17 - Atualizado em 21/05/2019

    Procrastinação pode trazer prejuízos para a vida profissional

    Hábito de adiar a realização de tarefas adversas precisa de tratamento psicológico quando traz consequências negativas para a vida do indivíduo

    A palavra é complicada, mas faz parte da vida de muitas pessoas. Procrastinar nada mais é do que deixar para depois a realização uma tarefa que parece difícil ou tediosa. É um comportamento que merece atenção pois pode trazer prejuízos para o dia a dia do indivíduo, especialmente em sua rotina profissional, gerando acúmulo de trabalho a ser realizado.
    De acordo com a psicóloga Mariana Parreira Lemos, profissional da Unimed Sudoeste de Minas, a procrastinação pode ter origem em diversos comportamentos , como por exemplo, um estilo de criação muito rígido e controlador dos pais na infância, levando ao perfeccionismo que pode travas a pessoa na hora de realizar uma atividade. Pode ainda ter relação com dificuldades de organização, insegurança em relação às próprias habilidades, elevada distração na resolução de atividades, fuga das frustrações ou problemas na aceitação de tarefas adversas.
    “Na psicoterapia deve ser realizado um trabalho voltado para entender o que leva a pessoa a ter tal comportamento hoje, quais suas causas, identificar facilidades e dificuldades na realização de tarefas, ajudá-la a compreender os sentimentos envolvidos neste processo e trabalhar para a aquisição de novos comportamentos mais adequados. É necessário identificar esse motivo para que se torne mais fácil o enfrentamento e a alteração de comportamento”.
    De acordo com a psicóloga, o comportamento procrastinador resulta em ansiedade, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação a outras pessoas que frequentam o mesmo círculo social ou profissional. “Embora a procrastinação seja considerada normal, pode tornar-se um problema quando impede o funcionamento do indivíduo no seu dia a dia. A procrastinação crônica pode ser um sinal de dificuldades a nível psicológico. É possível que esse nível de ansiedade, angústia e culpa gerada pela procrastinação, se não tratada, venha a desencadear um transtorno de ansiedade e até mesmo depressão. Por isso é necessário a conscientização dos seus processos psicológicos para entender seus comportamentos, sentimentos e pensamentos”.

    Influência da tecnologia
    O mundo virtual, está cada vez mais inserido na rotina das pessoas, é assimilado como algo extremamente confortável e prazeroso. Especialmente as redes sociais, quando usadas de forma indiscriminada, podem piorar comportamentos procrastinatórios. “Cabe ressaltar que a utilização de tais ferramentas de interação social e entretenimento é uma prática consolidada e quando realizada de maneira comedida também proporciona benefícios aos usuários. O real problema ocorre quando o uso de tais meios se torna a atividade preponderante de nossa rotina, e sem que percebamos aquela simples distração toma um tempo precioso do nosso dia. Em tais casos, torna-se ainda mais fácil deixar a tarefa penosa para amanhã. Ocorre que no outro dia o mesmo ciclo recomeça, até o momento em que a pessoa se vê engolida por um volume inesgotável de trabalho ou matéria para estudar, por exemplo”, complementa a psicóloga.
    Por outro lado, a tecnologia também pode ser usada como aliada no combate à procrastinação excessiva. Aplicativos que ajudam na gestão de tarefas ou que ajudam a exercitar a capacidade de concentração e raciocínio podem ser usados como estratégia no enfrentamento deste problema. “Pode-se dizer que são ferramentas válidas, eis que muitas pessoas acometidas pela procrastinação enfrentam dificuldades causadas pela ansiedade e incapacidade de concentração .Todavia, como já destacado, tais instrumentos tecnológicos devem ser utilizados com cautela para que deixem de ser a solução e se tornem parte do problema”, considera Mariana.

    O que fazer para diminuir a procrastinação? 
    - Faça uma lista dos seus afazeres diários. Analise-a, numerando o que é mais importante e comece por esta tarefa.
    – Enfrente situações que antes procrastinaria. Isso proporcionará sensação de alívio após concluir uma tarefa e perceber que se livrou dela de maneira positiva.
     – Reconheça que procrastinar vai lhe trazer mais dor do que realizar a tarefa. Na maioria das vezes, as coisas são menos complicadas do que pareciam ser.
    – Avalie o que vai deixar de ganhar ou no que pode perder caso não realize essa atividade.
     – Quando perceber que está querendo procrastinar de novo, proponha-se a atuar por apenas alguns minutos na ação que está tentando evitar.
    – Se a tarefa for muito desagradável, dê uma pausa e faça algo importante. É imprescindível não parar de agir.
    - Outra técnica constantemente utilizada é a fragmentação das tarefas em pequenos processos, metas e objetivos, que normalmente são mais fáceis de serem realizados e alcançados do que quando se pensa na tarefa como um todo. O desenvolvimento de novas habilidades que venham a facilitar o desenvolvimento das tarefas também é aconselhável. 


     

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus