• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    15/05/2019 05h00 - Atualizado em 15/05/2019

    Ex-prefeita do Carmo é sentenciada por improbidade

    Da Redação
    C.R. CLARO - O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) obteve na Justiça sentença condenatória da ex-prefeita de Carmo do Rio Claro, Maria Aparecida Vilela, a Cida Vilela, por improbidade administrativa na contratação sem licitação dos serviços do Instituto Brasileiro de Apoio à Modernização Administrativa (Ibrama). O marido dela, um fiscal de tributos do município, o próprio Ibrama e seu diretor também foram condenados na Ação Civil Pública (ACP).
    Segundo a Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Carmo do Rio Claro, em 2011, a então prefeita do município – com o apoio do marido, servidor público – contratou mediante inexigibilidade de licitação os serviços do Ibrama para o levantamento de dados, a preparação e o acompanhamento de demandas judiciais visando à recuperação de créditos municipais. Para isso, os cofres públicos municipais pagariam ao longo do contrato mais de R$ 1,1 milhão.
    Após ser contratada sem licitação, a empresa teria passado a exercer os serviços de arrecadação municipal, área na qual o marido da ex-prefeita atuava. Com isso, a administração pública, além de manter sua estrutura própria, arcava com uma estrutura privada. Num julgamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que discutiu o que a administração pública poderia licitar, foi decidido que não é possível delegar ao Ibrama as atividades próprias do Poder Público.
    Além disso, na decisão que condenou os três e a empresa por improbidade administrativa, a juíza afirma que a dispensa de licitação deve ocorrer apenas em situações excepcionais. “Sem a demonstração da natureza singular do serviço, o procedimento licitatório é obrigatório e deve ser instaurado com o objetivo de permitir a concorrência e garantir a transparência na contratação, assegurando o controle pela sociedade” dos atos da administração pública.
    Segundo o promotor de Justiça Cristiano Cassiolato, o Ibrama exercia atividades rotineiras, por isso não poderia ter sido contratado pelo município sem licitação, uma vez que outras empresas teriam também condições de exercerem os mesmos serviços, inclusive, de forma mais vantajosa ao Poder Público. Essa ausência de licitação demonstraria o direcionamento do contrato, o que fere os princípios da Administração Pública.
    A ex-prefeita e o marido foram condenados, entre outras coisas, à suspensão dos direitos políticos por oito anos e ao pagamento de multa civil. E o Ibrama deve pagar multa no valor de 2% dos contratos celebrados com o município de Carmo do Rio Claro e fica proibido de contratar com o Poder Público por cinco anos. Já o diretor aposentado da empresa teve os direitos políticos suspensos por cinco anos e deve pagar multa civil.
    Contra a sentença, cabe recurso ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais. A Folha não conseguiu contato com a ex-prefeita Cida Vilela pelos números de celulares disponíveis.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus