• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    11/05/2019 09h57 - Atualizado em 11/05/2019

    Dia a Dia: Soluções de Botequim

    Sempre daquele jeito: nas noites de quarta-feira, os dois amigos eram os últimos a largar a roda do boteco, mais de dúzia de cervejas emborcadas em meio a carninhas, queijinhos, azeitoninhas. O assunto principal e único: os problemas do mundo e as maneiras simples de resolvê-los. Facinho, facinho! A conjuntura econômica encontrava culpados nos verdureiros, o déficit fiscal nos assalariados, o atual ataque do Santos se tornava melhor que o da época do Pelé, a equipe de governo entreguista...
     Entretanto um deles trouxe um conflito de interesses cuja inconclusividade se tornava patente, definitiva:
     - Pois é. Taí a sinuca de bico lá em casa.
     - Vamos começar do começo outra vez. Quem sabe se acha um caminho.
     - Tá bom. O negócio é o seguinte: eu quero passar minhas próximas férias caçando e pescando na floresta amazônica. Fui uma vez sozinho e adorei. Há um ótimo pacote familiar na agência de turismo, barato, de ocasião. Uma coisa diferente de todas as nossas férias.
     - Realmente...
     - A patroa entestou em passar o mês inteiro na casa da sogra, em Bom Despacho. Alega que a mãe tá acabadinha, não vai durar muito, que o dinheiro gasto na Amazônia poderia até ajudar numa reforminha da casa dela...
     - Além disso, você combina pouco com a sogra, não?
     - Pouco? Nada. Menos que nada. Ela tem ojeriza de mim. Devolvo na mesmíssima moeda. Uma jararaca perde em veneno. Faladeira. Toda vez que ela vem em casa ou nós vamos na dela, o casamento entra em crise, até advogado nós já ajustamos pro desquite. Um inferno!
     - Tô sabendo. Um mês lá e explode tudo. Algumas mulheres são muito influenciadas pelos conselhos da mãe...
     - É o caso.
     - E se você e sua filha forem prá Amazônia e deixassem a patroa com a dona Encrenca em Bom Despacho?
     - A menina não larga a saia da mãe. Depois tenho medo de não tomar conta direito dela na floresta. Tem rios infestados de piranhas e jacareaçus. Onças pardas e pintadas. Cobras, então!!! Há uma trilha proibida de tanta sucuri esfomeada. Ela só obedece à mãe.
     - Então, enfia o rabo entre as pernas e vai mansinho prá Bom Despacho.
     - Isso não! Lá não!
     - E ela?
    - Enfezada e resolvida: quer a mãe.
    - É. Uma encruzilhada e tanto... Já sei: cancele as férias!
    - Tá doido? Estou batendo pino de stresse. À beira dum piripaque. E isso só iria adiar o problema pois nas próximas vai se repetir a mesma lenga-lenga. E quer saber? Se eu não tiver férias a patroa também não terá. Ponto final!
    Irritou-se. O impasse formado. Incapazes os dois, frustrados por coisinha tão boba quanto uma questão menor de itinerário de férias, de interesses familiares. Mesquinharias bem aquém do conflito árabe-israelense dissecado de alto a baixo, solucionado de pronto. Da dívida externa brasileira paga com folga. De como o futebol mineiro se tornara o melhor do mundo. O silêncio oprimia a mesa, copos cheios intocados, neurônios forçados à jornada dupla. Aí o quase grito:
    - Eureca!!!
    Agitou-se o outro.
    - Seu dilema está resolvido.
    - Vamos. Desembucha logo.
    - Inclua a sogra no pacote. Uma quarta pessoa custa uma ninharia. Passe em Bom Despacho, pegue-a e vá aproveitar a Amazônia.
    A primeira reação foi de desagrado. Depois um lampejo no olhar, avaliando melhor as circunstâncias.
    - Uai, sô!
    Somente aí o amigo notou-lhe um franzir de maldade no canto dos lábios.
    - Gostou da minha sugestão?
    - Muito mais das possibilidades...
    - Não estou entendendo.
    - A velha vai pensar que capitulei na guerra, que assumi a coleira e aposto que irá satisfeitinha.
    - E daí?
    - Daí? Daí que chegando lá, faço as honras de levá-la a um passeio nas redondezas do hotel.
    - Sim?
    - Lembra da trilha das sucuris.
    - Você está brincando!
    - Brincando nada. Esqueço lá a velha umas duas horas. Se as sucuris refugarem a carne dura ainda tem o barranquinho escorregadio no poço de piranhas ou o areal quente onde os jacaréaçus dormitam.
    Pronto. O boteco fornecera mais uma brilhante solução!!!
     

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus