• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    18/04/2019 07h57 - Atualizado em 18/04/2019

    Carlitos,a maior invenção de Chaplin

    Charles Chaplin tem importância indiscutível, por mais que sua estética possa parecer ultrapassada

    Luiz Carlos Merten - Especial para a Folha

    Na última terça-feira, 16, completaram-se 130 anos do nascimento de Charles Spencer Chaplin. Nascido em Londres, de uma família de artistas, ele emigrou para os Estados Unidos e se tornou uma das estrelas mais conhecidas e amadas do século 20, com multi talentos de cineasta, comediante e ator. Chaplin criou o personagem emblemático Carlitos, no ano de 1914, com o qual eternizou-se na cultura mundial ainda nos primeiros anos do cinema. Chaplin faleceu no no natal de 1977, somente cinco anos após ter recebido o Oscar. Entre os grandes filmes estrelados por ele e que ainda inspiram e divertem gerações estão “Tempos Modernos”, “O Grande Ditador”, “Em Busca do Ouro”, “O Circo”, “Um Dia Bem Passado”, “Luzes da Cidade”, “Idílio Campestre”, “Dia de Pagamento” e “Luzes da Ribalta”.
    No começo dos anos 1920, Charles Chaplin já estava em plena fase de seus clássicos mudos – Rua da Paz, O Balneário, O Aventureiro. Fundou, com David W. Griffith e o casal de atores Mary Pickford/Douglas Fairbanks, a United Artists, para garantir a independência autoral e financeira dos projetos de ambos.
    Viajou à Europa e, ao retornar, fez seu único filme em que não trabalha (embora sua silhueta apareças vagamente) – Casamento de luxo. Jean Tulard, no Dicionário de Cinema, diz que é uma obra inovadora do ponto de vista da técnica, mas foi, na época, um raro fracasso de público de Chaplin.
    Sua importância permanece indiscutível, por mais que sua estética possa parecer ultrapassada. Para criar o movimento de Carlitos, Chaplin teve de pensar (e assimilar) os recursos tecnológicos que o filme projetado à razão de 16 quadros por seguindo. Teve de mudar para se adaptar aos 24 quadros (por segundo) do sonoro. Isso parece pouco, para um público de 2019, mas o cinema engatinhava e tudo o que esses pioneiros propunham – e dava certo – fazia avançar a linguagem. Movimentos de câmera, cortes, montagem, íris (aquele recurso de apagar a imagem e concentrar o foco num detalhe).
    Conta a lenda que Chaplin demorou meses, quase um ano, para resolver o impasse de uma cena decisiva de Luzes da Cidade. A cega, devido ao barulho da porta do carro, é induzida a crer que Carlitos é um milionário. Hoje em dia, parece o bê-a-bá da narração, mas em 1931 era uma invenção de gênio.
    Carlitos é sua maior invenção. O homenzinho vulnerável, sempre perseguido pelo guarda, pelo capitalista, pela máquina. Tempos Modernos, de 1936, mostra como a automação produzida pela máquina engole o operário – na verdade, como suprime postos de trabalho. Chaplin sabia das coisas. A direita norte-americana não lhe perdoou haver tomado partido contra Adolf Hitler em O Grande Ditador, de 1940. A denúncia da guerra em M. Verdoux, em 1947, é a gota d’água. Ele é denunciado como antiamericano, comunista! A intolerância e o preconceito não são recentes.
    Em 2002, uma distribuidora lançou a versão digitalizada de O Grande Ditador, levando os críticos ao delírio, mas as vendas ficaram além do esperado. À primeira vista, o cinema de Chaplin pode parecer ultrapassado para o público mais jovem, mas não é. Carlitos segue como um símbolo de resistência. Assistindo os filmes dele ainda se pode rir muito e também refletir sobre a vida, as relações humanas e a sociedade. Chaplin fez avançar a linguagem do cinema com seus experimentos.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus