• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    04/04/2019 09h43 - Atualizado em 04/04/2019

    O principal atrativo do Etios

    A transmissão automática é um atributo importante da versão X Plus do modelo da Toyota

    Tião Oliveira - Especial para o Folha Motors

    A Toyota está colocando no mercado uma nova versão do Etios e, como diferenciais em relação ao resto da linha, o X Plus traz grade frontal com acabamento preto, maçanetas externas na cor do carro, máscara negra nos faróis e lanternas e para-choques dianteiro e traseiro na cor da carroceria. Se a estética não emociona, o principal trunfo da Toyota para emplacar as vendas do sedã compacto está no prestígio que a fabricante japonesa conquistou nas últimas três décadas. Uma percepção de confiabilidade que faz com que modelos da marca, como o sedã médio Corolla, sejam raridade nas lojas de carros usados - normalmente, os donos recebem propostas antes de chegarem às revendas.
    O motor do Etios sedã permanece o mesmo 1.5 flex da época do lançamento. Entrega 102 cavalos rodando com gasolina e 107 cavalos quando tem apenas etanol no tanque. O torque máximo é de 14,3 kgfm com gasolina e 14,7 kgfm com etanol. Em termos de consumo, nos testes do Inmetro, o sedã teve média na cidade de 8,4 km/l com etanol e 12,2 km/l com gasolina. Já na estrada, os números foram de 10,4 km/l com etanol e 14,9 km/l com gasolina. Esse desempenho conferiu duas notas “B”, tanto na comparação absoluta geral quanto na categoria de compactos.
    A transmissão automática é um atributo importante da versão, contudo aparece em uma configuração um tanto anacrônica, com apenas quatro marchas. Em termos de modernidade, a linha 2019 do Etios sedã investiu em segurança e adota controles de tração e estabilidade como itens de série. De resto, o modelo traz rodas de liga leve de 15 polegadas, sistema de áudio com CD-player, função MP3, entrada USB e Bluetooth, volante multifuncional, retrovisores externos elétricos com pisca integrado, ar-condicionado, chave com comando de abertura e fechamento das portas, vidros elétricos e travas elétricas. E só! Equipamentos contemporâneos corriqueiros no segmento, como central multimídia, câmera de ré e sensores de obstáculos traseiros, não aparecem no compacto da Toyota nem como opcionais.

    No dia a dia

    Ao se girar a chave na ignição, espera-se uma fração de segundo a mais do que seria normal para o motor acordar, jogando giro lá em cima e mantendo umas 1.500rpm por um tempinho. No volante, há comandos de som, além do piloto automático. O acabamento do painel é em preto brilhante purpurinado. Por outro lado, faltam equipamentos essenciais a uma versão “de luxo”: não há alerta para obstáculos na traseira, nem câmera de ré. Tampouco há vidro com acionamento “um toque” para o motorista.
    O quadro de instrumentos está mais enfeitado e colorido do que na época do lançamento do Etios, mas continua “minimalista”. Como não havia muito o que pôr nos cantos do mostrador, botaram uns riscos azuis para ocupar espaço.
    O ar-condicionado esfria mesmo - às vezes, especialmente à noite, você tem que deixar quase que na posição de aquecimento para ser suportável. Em tempos de centrais multimídia gigantes, o Etios X Plus tem um rádio convencional com toca-CD e botõezinhos de memória. Ao menos há entrada para auxiliar e uma tomadinha de USB.
    O câmbio automático também é datado, com suas quatro velocidades, mas até que não sentimos muita falta de duas marchas extras (hoje comuns nos rivais). Não há grandes buracos no escalonamento e a caixa funciona bastante bem.
    Pouco se ouve do motor de 1.496cm³ e 107cv (com álcool) – há uma bela camada de isolamento acústico sob o capô. É um carro manso, no sentido de extremamente suave, com direção levinha, resposta lenta do acelerador e muita assistência nos freios. A suspensão é o destaque maior do projeto: consegue disfarçar bem os buracos da pista e, ao mesmo tempo, é muito controlável. Não bastasse, há controle eletrônico de estabilidade (ESP) de série.
    Robusto, e com ótima mala, serve bem a quem sente saudades do primeiro Logan. Mas vale estudar o preço. Nas concessionárias, vimos carros idênticos ao testado por R$ 64.940.
     

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus