• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    03/04/2019 05h50 - Atualizado em 03/04/2019

    Encenação da Paixão de Cristo deve reunir dez mil pessoas

    Da Redação
    ALPINÓPOLIS - Tradicional na cidade de Alpinópolis, a encenação da Paixão de Cristo na Semana Santa é uma das principais da região e é feita há mais de 15 anos na cidade. Este ano, a montagem vai ser realizada às 16h da quinta-feira, 18, e sexta-feira, 19, no Monte das Oliveiras. 
    O Grupo Teatro do Oprimido Monte das Oliveiras é responsável pela encenação de “Paradoxos da Paixão” e conta com mais de cem pessoas na montagem, entre elas, o elenco, coordenação, prestadores de serviços e  mão de obra voluntária. O elenco é composto por 25% de adultos, 25% de crianças e 50% são adolescentes. 
    Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo de preparação da peça. O grupo discutiu o texto, contexto da temática, a criação dos personagens, os apoios, parcerias e patrocinadores e a realização, em si, em encontros. O espetáculo foi escrito e é roteirizado e dirigido pelo responsável técnico do projeto, José Geraldo da Silva, ou como é mais conhecido, Zgê Geraes. 
    Segundo o diretor, a expectativa é que dez mil pessoas passem pelo Monte das Oliveiras nos dois dias de apresentação, para contemplar o local e para assistir à peça. Um fator que vai  determinar a presença do público são as questões climáticas, já que o espetáculo é apresentado a céu aberto. 
    A encenação do grupo Teatro do Oprimido contém aspectos que a diferenciam das demais encenações da comemoração. Temas como realidade social, econômica e política estão presentes na apresentação. A peça agrega questões reflexivas da Bíblia e do momento atual do país e, com isso, abrange um público maior. 
    “É dentro dessa dualidade que apresentamos o amor em contraposição e o combate ao ódio, a vida em sua plenitude contra a morte e os doutores da lei e da religião contra os princípios religiosos. É uma peça de profunda reflexão”, afirmou o diretor. 
    Por ser tradicional na cidade, Zgê acredita que a encenação do grupo tem uma representação teatral significativa. “Para a cidade, de um modo geral, é a referência teatral em um espaço significativo, seja espiritual, turístico, cultural ou artístico. Apresenta diversos aspectos: no tocante à proposta do grupo, sair da situação de oprimido sem se tornar opressor, seja através da inclusão social, seja por um espaço de discussão da cidadania, seja por experienciar práticas artísticas e ainda de reflexionar sobre a fé”, comentou Zgê Geraes. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus