• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    21/03/2019 08h18 - Atualizado em 21/03/2019

    Netflix quer expandir produções brasileiras

    Intuito é que conteúdos produzidos no País sejam consumidos em todo o mundo

    Eduardo Gayer - Especial para a Folha

    A Netflix chegou no Brasil para ficar. É o que afirma Maria Angela de Jesus, diretora de produções originais brasileiras da empresa. A plataforma de streaming anunciou as estreias de duas séries inéditas produzidas no País, Coisa Mais Linda e O Escolhido, além da segunda temporada de Samantha! e a terceira de 3%.
    Maria Angela diz que a Netflix vive um momento muito forte, em que está buscando trazer histórias diversificadas, nos mais diversos gêneros, para alavancar o consumo de produção brasileira em todo o mundo. “Queremos que nossos conteúdos viajem e conquistem público não só no Brasil, mas fora dele. Uma boa história não tem fronteiras”.
    O desafio está, justamente, em produzir algo com força local que possa conversar com uma audiência internacional. Para Maria Angela, o segredo é trazer assuntos relevantes e universais com roupagens diferentes. “Coisa Mais Linda, por exemplo, se passa no Rio, é sobre bossa-nova, mas, no fundo, são quatro mulheres tentando mudar as regras, indo atrás dos sonhos, o que poderia acontecer em qualquer local do mundo. Claro que colocamos nossas tintas locais, mas [essas mulheres] poderiam estar em qualquer lugar”.
    Essa “resposta de ouro”, como definida pela executiva da Netflix, já pode ser entendida como realidade. A série 3% teve 50% de sua audiência vinda de fora do Brasil. “É o seu conteúdo chegando ao mundo inteiro. Essa é a beleza de um serviço como a Netflix: levar conteúdo local para o mundo todo.” As próximas produções brasileiras também vão estrear simultaneamente em 190 países, em 27 idiomas e para 139 milhões de pessoas.
    A Netflix pretende expandir as animações brasileiras, como Superdrags, e não pensa em produção para cinema no País, no curto prazo. “O foco são as séries de ficção, no momento.”
    Além das séries programadas para 2019, outras produções podem ser lançadas ainda neste ano. São elas: Irmandade, de Pedro Morelli, Cidades Invisíveis, de Carlos Saldanha, Ninguém Tá Olhando, de Daniel Rezende, e Onisciente, de Pedro Aguilera. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus