• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    19/03/2019 10h47 - Atualizado em 19/03/2019

    Saiba como estimular a fala do bebê e o que esperar em cada fase

    EMBORA O DESENVOLVIMENTO SEJA INDIVIDUALIZADO, PAIS DEVEM ESTAR ATENTOS AOS MARCOS DE CADA FASE DA CRIANÇA E PROCURAR AJUDA ESPECIALIZADA QUANDO NECESSÁRIO

    É comum que os pais – especialmente de primeira viagem – fiquem ansiosos para que o bebê diga as primeiras palavras. Mas sabia que a família pode ajudar e muito no desenvolvimento da fala e da linguagem? Além de estimular o aprendizado das palavras, gestos e brincadeiras podem contribuir e muito neste processo. Além disso, os pais devem ficar atentos a cada etapa da aquisição da fala e procurar ajuda quando necessário. Qualquer alteração de fala e linguagem, quando diagnosticada precocemente, tem grandes possibilidades na reabilitação.
    De acordo com a fonoaudióloga Juslene Matos, profissional da Unimed Sudoeste de Minas, é importante lembrar que o aprendizado da fala é individualizado, embora existam marcos em cada fase. “A idade e a duração de cada etapa diferem de criança para criança. Entretanto, todas elas passam por todas as etapas do desenvolvimento da fala e da linguagem, com exceção das crianças com problemas sérios do sistema neurológico ou fisiológicos. Até os dois meses, a principal forma de comunicação do bebê, é o choro, sem nenhuma intenção comunicativa, porém é esperado que a criança reaja a sons e vozes dos familiares e que produza vocalizações com entonações e intensidades variadas, brincando com a voz”.
    Já as primeiras palavras, ocorrem por volta de um ano, sendo geralmente papai e mamãe, não somente pela referência amorosa, mas como sendo formada pelos sons/fonemas de fácil produção, P e M. “Por volta dos seis anos, espera-se que a criança esteja concluindo as aquisições finais de fala como os grupos consonantais, denominados de C/R/V e C/L/V (pra e pla, cla, cre e assim sucessivamente), para se preparar para as aquisições iniciais de leitura e escrita. Quando a fala não se concretiza, a criança poderá ter prejuízos cognitivos no processo de aprendizagem”, complementa.

    Conversando com o bebê
    Um jeito natural de estimular a fala é conversar com o bebê, usando também gestos e articulando bem as palavras. Como por exemplo, falar tchau e fazer gestos, acenando com as mãos, usando o corpo para se expressar dentro de um contexto, podem favorecer o aprendizado, pois é uma maneira de o adulto apresentar o mundo para a criança. No entanto, a fala também depende de vários outros fatores para se desenvolver. “A fala é a expressão da linguagem, até o carinho que você dá para o seu filho pode fazer diferença no desenvolvimento.
    Uma pesquisa realizada na Universidade de Chicago (EUA) provou que ações não verbais podem ser tão importantes quanto o bate-papo para melhorar esse aprendizado. Por exemplo, o ato de apontar para o filtro de água enquanto se diz ‘você quer água, a mamãe vai pegar água para você’!, com entonações prolongadas, facilita a memorização dessa palavra que se repetiu por duas ou mais vezes”, explica.
    No entanto, é importante observar que alguns comportamentos podem prejudicar o desenvolvimento da fala. “Para que a criança fale, ela precisa ser estimulada. Se a criança é atendida por seus gestos e ruídos, ela não se esforçará em falar, porque todos a entendem. Essa é uma das causas de retardo ou atraso de fala, que futuramente pode gerar consequências cognitivas, quando se excluem problemas neurológicos e/ou fisiológicos”.
    À medida que a criança é exposta ao mundo sonoro, o sistema nervoso se organiza para que as habilidades de análises e interpretação dos estímulos sonoros sejam incorporadas ao seu desenvolvimento. Nesse processo ocorre a aquisição e desenvolvimento da linguagem, fala e comunicação.
    “É um processo lento que vai se aperfeiçoando enquanto o bebê vai crescendo e desenvolvendo de acordo com a idade. Os pais devem ficar atentos à capacidade de seu filho, considerando que não é normal que um bebê de um ano não balbucie, não faça ruídos com a boca e nem tente imitar a voz. Cada fase é um indicador de como está ocorrendo o desenvolvimento da fala e da linguagem desta criança. Quando algo sai do padrão esperado, deve-se procurar uma avaliação com o profissional fonoaudiólogo”, finaliza. 

    Saiba como estimular a fala do seu filho

    1) Narre o mundo para seu filho; descreva os cenários, as cores, imite os sons e preste bastante atenção na articulação das palavras;

    2) Dê atenção e espaço para que ele se expresse; pois se a criança receber tudo sem que tenha que se esforçar em ser entendida, o aprendizado da fala pode ser prejudicado;

    3) Utilize a música e cante, é fundamental para a repetição e atenção;

    4) Leia histórias, mesmo que a criança não entenda, mas use de gestos e expressões faciais;

    5) Criança aprende brincando e ela aprende rápido se estiver divertindo e sentindo prazer.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus