• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    22/02/2019 08h01 - Atualizado em 22/02/2019

    Comédia sobre ator iniciante estreia em Passos

    A PEÇA "SER OU NÃO SER" EXPLORA O UNIVERSO DE UM ATOR INICIANTE E MOSTRA AS DIFICULDADES E OS PRECONCEITOS VIVIDOS PELOS ARTISTAS EM UMA CIDADE INTERIORANA

    Laura Abreu - Especial para a Folha

    Depois de apresentações em Portugal em 2012, a peça Ser ou Não Ser chega no teatro Colisseum nesta sexta-feira, 22, às 21h e fica para o público passense até a próxima segunda-feira, 25.
    A peça é uma comédia que conta a história de um ator iniciante de teatro e mostra todos os processos da montagem de um espetáculo no interior, passando por dificuldades relacionadas ao preconceito contra o artista, de vender ingressos, de conseguir patrocínio e de convencer as pessoas a assistir o espetáculo.
    Dirigida, e também encenada, pelo ator Eduardo Silva a peça tem duração de uma hora e quinze com censura livre. Os ingressos podem ser adquiridos por R$20 na Banca do Rosário, pelo aplicativo NaHoraApp ou com os integrantes, o espetáculo vai acontecer na sede do colisseum, na avenida Otto Krakauer , n° 885.
    Junto com o ator, outros participantes do grupo colisseum também participam da peça. O ator principal é o Pedro Silva e o resto do elenco são o Caique Rattis e Rodinei Carvalho.
    “Estamos com uma expectativa bem bacana, é uma peça que vale a pena. A expectativa de público é legal nesses quatro dias de espetáculo, quem for lá vai ver um espetáculo bem diferente e bem gostoso para toda a família”, comentou o diretor Edu Silva.
    O processo de montagem da peça começou no ano passado, e por cada ator encenar mais de um personagem, a preparação foi demorada e minuciosa, trabalhando todas as vertentes do teatro na composição dos personagens.
    “A gente fez um processo de trabalho individual com cada ator, que são personagens bem distintos e a maioria do elenco faz dois ou três papéis. Então a gente tem que ter um trabalho bem refinado em cada personagem, cada ator teve um trabalho de voz, de corpo, para estar trabalhando esses personagens. São várias vertentes e vários trabalhos individuais com cada ator, como sotaques, então é um processo bem demorado”, explicou o diretor.
     

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus