• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    05/02/2019 08h12 - Atualizado em 05/02/2019

    Câmara vota denúncia contra prefeito de Itaú de Minas

    Da Redação
    ITAÚ DE MINAS - Os vereadores de Itaú de Minas podem aceitar nesta terça-feira, em sessão ordinária com início às 19h, uma denúncia contra o prefeito Ronilton Cintra (PSD) por infração político-administrativa. A acusação é de que a Prefeitura teria ignorado os vencedores de um processo licitatório para a compra de peças automotivas, e realizado compras diretas com outros estabelecimentos. Além disso, a votação englobará outros tópicos apontados por uma Comissão Especial de Investigação (CEI) que, no fim de 2018, averiguou a suspeita de atos ilegais da atual gestão.
    De acordo com a denúncia, no dia 13 de fevereiro de 2017, a Prefeitura realizou um pregão presencial para adquirir peças para a manutenção de sua frota. No dia 6 do mês seguinte, foram assinadas as Atas de Registro de Preços – dentre as empresas vencedoras, estavam a Brasil Veículos e Máquinas Ltda. e a Alfepeças Ltda., que venderiam, respectivamente, peças da Mercedes Benz e da GMC.
    Entretanto, segue a acusação, Cintra não comprou das empresas que ganharam a licitação. No dia 13 de março de 2017, ele ordenou o pagamento de uma nota de empenho, no valor de R$ 395,00, para a empresa Posto de Molas Itaú Ltda., e, no dia 10 de outubro do mesmo ano, uma nota no valor de R$ 3.098,00 para João Batista Alves. Ambos pagamentos referiam-se à aquisição de peças para manutenção do caminhão GMC 14190, ano 1996/1997, com motor Mercedez Benz.
    Segundo o eletrotécnico Mackson Antônio da Silva, que é o autor da denúncia, o “prefeito fraudou a obrigatoriedade de a Administração Pública seguir o processo licitatório realizado”. Além disso, ele sustenta que também foi ferido o direito das empresas Brasil Veículos e Máquinas Ltda. e Alfepeças Ltda., que haviam conquistado a oportunidade de vender as peças que posteriormente foram compradas de forma direta em outros estabelecimentos.
    Matéria exclusiva para assinantes

    Faça já a sua assinatura, tenha o jornal impresso em sua casa ou dê de presente para quem você gosta e ganhe o acesso nas páginas digitais pela internet, ou seja: Versão Impressa + Digital.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus