• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    05/02/2019 08h03 - Atualizado em 05/02/2019

    Leitor

    Camila David de Oliveira Rio de Janeiro/RJ
    Janelas Quebradas...
    O forte chute na bola quebrou uma vidraça. Uma bala perdida “achou” outra vidraça estilhaçando-a. Tempos depois um tijolo é arremessado contra a terceira vidraça. A teoria das “Janelas Quebradas” de George Killings e James Wilson, de 1982, argumenta que “vandalismo atrai e gera vandalismo”. Assim, uma  janela quebrada deduz abandono, torna a propriedade eleita para outros atos de violência. É parecido com a afirmação de que o mau humor contagia, contamina e azeda o ambiente. Quando não cuidamos daquilo que é de nossa responsabilidade o crime tende a tomar conta. Embora mais comum em  grandes centros, mesmo aqui encontramos situações semelhantes.  São terrenos sem donos, dados estarem tomados pelo mato, desprovidos de calçadas - verdadeiros criadouros de caramujos e de pernilongos vetores de doenças como zika, dengue e chickungunya. Temos edifícios públicos abandonados ou parcialmente ocupados; ruas esburacadas; postes com lâmpadas apagadas; quadras esportivas mal conservadas; lixo em locais impróprios. O desleixo e descuido são bem visíveis. Infelizmente  também existem  “janelas quebradas” na saúde, como a demora para a realização de exames como o câncer; no ensino, como o descaso para com os professores e greves constantes; na justiça, onde o cidadão morre antes de ter os direitos reconhecidos. A maior janela quebrada no Brasil é a da politica. Nessa os interesses do povo é subtraído pela corrupção. São cargos comissionados fantasmas, cabides de empregos, falcatruas, a maldição das drogas e malas de dinheiro. É a mentira verdadeira do vil metal corrompendo, comprando tudo que o dinheiro pode. Hipocrisia, descaso, tráfico de influência, soberba, deboche e maldade. Temos medo de quebrarem nossas janelas. Então nos protegemos com muros altos , com concertinas, fios energizados e câmeras de segurança. Temor do  próprio semelhante. Como chegamos a isso? Concordo, Renato,  que “toda dor vem do desejo de não sentirmos dor”, mas não podemos mais esperar para mudar essa situação.  Além de cuidarmos das nossas próprias janelas, podemos sim contribuir e construir dias melhores. Vamos honrar o trabalho, purificar a  alma,  dedicarmo-nos a fazer o melhor que pudermos na edificação de um novo mundo, uma nova ordem e um novo tempo, com janelas intactas. Nunca é tarde demais para nos transformamos no melhor que podemos ser!  Olhe-se no espelho, fique feliz com a nova imagem: honesta, límpida, íntegra e  consciente. Livre das toxinas do mundo velho. Afinal - agora e para sempre - tudo podemos n’Aquele que nos fortalece. Jesus Cristo,  a Luz do mundo! Força Sempre!
     
    Jorge Moreira Maciel – Passos/MG
     
    Circo
    Assentada a poeira, faxina encerrada no picadeiro, resumo do circo nas eleições para presidente do Senado: Davi Alcolumbre virou herói; Renan Calheiros, vilão; Kátia Abreu, boi de piranha. E o notívago ministro Dias Toffoli? Lamentavelmente, data vênia, diria o saudoso palhaço Carequinha, que tanto alegrou minha infância: “É ladrão de mulher?”.

    Mais sobre a editoria

    18 de Abril de 2019
  • 17 de Abril de 2019
  • 16 de Abril de 2019
  • 15 de Abril de 2019
  • 12 de Abril de 2019
  • 11 de Abril de 2019
  • 10 de Abril de 2019
  • 09 de Abril de 2019
  • 08 de Abril de 2019
  • 05 de Abril de 2019
  • Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus