• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    30/01/2019 05h50 - Atualizado em 30/01/2019

    Capetinga tem nascimento após dez anos

    Da Redação
    CAPETINGA – O nascimento é algo corriqueiro e natural na maioria das cidades, mas não faz parte do cotidiano dos moradores de Capetinga. Por ser um acontecimento esporádico, um parto ocorrido na quinta-feira passada, 24, por volta das 18h45, se tornou motivo de festividade. 
    A cidade não registrava um capetinguense há aproximadamente dez anos; isso porque as grávidas são encaminhadas para hospitais de Cássia e Franca. O município conta apenas com o pronto-atendimento, que antigamente era um hospital. Mas, mesmo quando ainda era hospital, raro era o nascimento de crianças na cidade. 
    Segundo a diretora administrativa do pronto-socorro Darci Aparecida Rocha, o parto aconteceu no próprio pronto-socorro,  após a solicitação de uma ambulância para Devanira dos Santos, mãe da criança.  
    “Ela ligou que estava com dor e o motorista foi buscar, nasceu quando estávamos providenciando para levar para Cássia. Realmente, não deu tempo”, contou a diretora.
    O parto foi realizado com sucesso em uma maca, pois, o local não conta com sala para tal. Foram retirados a placenta e o cordão umbilical, e a mãe e o bebê foram encaminhados para o hospital de Cássia para os procedimentos necessários.  
    O pronto-socorro não tem obstetra e o parto foi feito pelo médico e diretor clínico Loide Batista Rodrigues. Darci confirmou que o parto ocorreu naturalmente e sem complicações, e disse ainda como foi a experiência. 
    “Estamos muito contentes por ter dado tudo certo, foi tudo muito tranquilo. Fiquei muito agradecida pela equipe; mesmo não tendo essa experiência de trabalho, eles fizeram tudo direitinho, numa tranquilidade. Não é um procedimento corriqueiro, a que estamos acostumados, e eles tiraram de letra”, acrescentou Darci. 
    Além de ser um momento especial para a mãe e para o município, o parto foi um marco na vida do médico, por ser o primeiro desde sua formação, há 7 anos. Rodrigues contou a reação de todos, inclusive dos pacientes que estavam no local no momento.
    “Foi gratificante, ficamos muito felizes. A 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus