• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    30/01/2019 08h04 - Atualizado em 30/01/2019

    Os 50 anos de Beatles no telhado

    O último show do quarteto de Liverpool durou pouco mais de 40 minutos e foi interrompido, sim, pela polícia, após reclamações de comerciantes e moradores sobre o barulho

    Guilherme Sobota - Especial para a Folha

    Os Beatles já estavam cansados de ser os Beatles quando subiram juntos a um palco pela última vez: no dia 30 de janeiro de 1969, os Fab Four pegaram seus instrumentos no topo do edifício do número 3 da Savile Row, em Londres, e tocaram para nunca mais tocarem em frente a uma audiência.
    A história ainda não definiu com certeza de quem foi a ideia: há quem diga que foi do conciliador Ringo Starr, mas o engenheiro de som Glyn Johns também reclama o título.
    Fato é que a banda estava instalada no prédio da Apple Records, a gravadora, produtora de filmes e estúdio. O plano era fazer um filme sobre o processo criativo nas gravações do que seria o disco Let It Be. O finale seria uma apresentação ao vivo: a primeira desde o último show da banda, em San Francisco, Califórnia, em 1966.
    As filmagens na verdade começaram no Twickenham Film Studios, e eram realizadas de segunda a sexta começando às 9 horas da manhã, por regulamentações sindicais. Mas a banda já não estava em seu melhor momento no quesito convivência, e o fato de tentar fazer rock and roll no inverno britânico muito cedo não ajudava… um trecho do filme Let It Be, dirigido por Michael Lindsay-Hogg (que décadas depois revelaria ser filho de Orson Welles) e vencedor de um Oscar de trilha sonora em 1971, mostra um momento em que George Harrison discute com Paul McCartney num tom altamente irônico. “Eu vou tocar o que você quiser que eu toque ou não vou fazer nada”, diz Harrison. “O que quer que te agrade, eu vou fazer.” Ouch.
    A história segue e conta que depois de algumas especulações megalomaníacas como Los Angeles, o Coliseu e uma ilha na Grécia, a banda concordou em fazer subir os equipamentos e tocar no terraço do prédio, na hora do almoço, na região central de Londres.
    Instrumentos, a estrutura de palco, o sistema de PAs, microfones e cabos foram levados quatro lances de escada acima, e no dia 30 de janeiro de 1969 uma pequena turma de amigos, além da equipe de filmagem, começava a presenciar aquela que seria a última aparição dos quatro Beatles juntos.
    A missão de montagem e mixagem do som ficou por conta dos engenheiros Glyn Johns, Keith Slaughter e Dave Harries. Um dos problemas a serem resolvidos pela equipe era o vento nos microfones. Eles então mandaram um operador novato (o então desconhecido Alan Parsons) ir comprar meias-calças numa loja. “Recebi muitos olhares estranhos”, lembrou Parsons anos depois.
    O som foi mixado numa máquina de gravação de 8 canais, e alguns dos takes foram usados na mixagem de Let It Be.
    Embora o filme se encontre hoje fora de catálogo, alguns vídeos e trechos ainda podem ser encontradas na web.
    O show durou pouco mais de 40 minutos e foi interrompido, sim, pela polícia, após reclamações de comerciantes e moradores sobre o barulho.
    Em entrevista décadas depois, McCartney lembrou com carinho da ocasião: “Eu amei porque ela mostra o que os Beatles eram por baixo de tudo aquilo. Nós éramos uma bela de uma banda”.
    No fim do show, após uma versão crua de Get Back, é possível ouvir Lennon dizer: “Eu gostaria de agradecer em nome do grupo e de nós mesmos, e espero que tenhamos passado no teste”. 50 anos depois, é agridoce lembrar que esse foi um dos ensaios finais.

    As canções

    Apenas com as músicas tocadas nesse último show é possível notar como a importância dos Beatles se estende para gêneros diversos, do jazz ao country, do soul ao grunge, da MPB ao reggae:
    l Get Back - Quem fez versões: Al Green, Ike e Tina Turner, Rod Stewart, John Pizzarelli, Tribe Reggae Band
    l Don’t Let Me Down: Marcia Griffiths, Randy Crawford, Dana Fuchs
    l I’ve Got a Feeling: Pearl Jam, Laibach, Cássia Eller
    l One After 909: Willie Nelson, Wilko Johnson
    l Dig a Pony: Marisa Monte, Screaming, Headless Torsos 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2020 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus