• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    14/01/2019 12h30 - Atualizado em 14/01/2019

    O que esperar de 2019 no setor imobiliário?

    Especialistas indicam os pontos altos e os baixos de 2018 no setor imobiliário e as promessas para 2019, que vão do lançamento de apartamentos compactos aos preços de aluguel

    Jéssica Díez Corrêa
    O ano de 2018 foi de muita expectativa para o segmento imobiliário. Após um período de recessão, devido às crises política e econômica, que atingiram o ápice em 2016, representantes do mercado apostaram em 12 meses de recuperação e de lançamentos de tendências para os empreendimentos.
    Em 2017, houve uma sutil melhora na atividade imobiliária. O setor cresceu 9,4%, segundo a Câmara Brasileira de Construção. Para 2018, a projeção foi um pouco mais otimista, de ao menos 10%. Mas o ano atingiu as expectativas do setor? E o que esperar para 2019?
    Foram consultados Alexandre Frankel, CEO da Vitacon; Andrea Bellinazzi, diretora de Inteligência de Mercado da Tegra Incorporadora; Basílio Jafet, vice-presidente de Relações Institucionais do Sindicato da Habitação (Secovi-SP); David Bastos, arquiteto fundador da DB Arquitetos; João da Rocha Lima Jr., professor e coordenador do núcleo de Real Estate da USP; José Romeu Ferraz Neto, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (SindusCon-SP); Lisandro Piloni, arquiteto fundador da Piloni Arquitetura & Interiores; Luiz Augusto Pereira de Almeida, diretor de marketing da Sobloco; Reinaldo Fincatti, diretor da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp); Ricardo Pajero, gerente comercial da MAC Construtora e Incorporadora; e Roberta Banqueri, arquiteta fundadora da Roberta Banqueri Arquitetura.
    O que deu certo em 2018?
    Apartamentos compactos: Aposta de construtoras, em geral são alocados em zonas de fácil acesso à rede de transporte público. Em 2018, a área média dos imóveis de um dormitório, segundo a Embraesp, foi de 32,9 m2. Há dez anos, era de 49,14 m2. O Plano Diretor é um dos responsáveis por isso, pois estimula o adensamento, além da crise econômica, que fez o poder de compra diminuir.
     
    Minha Casa, Minha Vida: Houve avanço do mercado de imóveis econômicos: 77,22% das unidades lançadas em São Paulo de setembro de 2017 a setembro de 2018 estavam enquadradas no programa Minha Casa, Minha Vida. No comparativo entre o 3º trimestre de 2018 e o 3º de 2017, o aumento foi de 27,2%, segundo a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias.
     
    Mobilidade Urbana: Para promover o adensamento, o Plano Diretor de 2014 definiu que o potencial construtivo em terrenos próximos à oferta de transporte público seria maior, impulsionando empreendimentos perto de corredores de ônibus e estações de metrô. Além disso, a legislação desestimulou a oferta de vagas de garagem. Para suprir as demandas, os condomínios novos possuem bicicletários, área para recarga de bicicletas e patinetes elétricos e até serviço de aluguel de veículos.
     
    Poderia ter sido melhor
    Prédios comerciais: Para os especialistas consultados, esse mercado foi o mais atingido pela crise. Em São Paulo, os lançamentos recuaram do pico de 43 em 2013 para 13 em 2018, segundo informações da Coluna do Broadcast. Além da queda de lançamentos, aumentou a vacância e caiu o valor do aluguel.
     
    Revitalização do centro: A renovação dos centros urbanos não aconteceu como o esperado, devido à combinação da falta de zeladoria urbana e de segurança, por parte da prefeitura, e da falta de projetos por parte das incorporadoras. Assim, famílias não se interessam em morar no Centro.
     
    Retomada do setor: Houve recuperação econômica, porém mais lenta que o esperado. Foram 12,3 mil unidades lançadas em 2016, 14,8 mil em 2017 e 20,9 mil em 2018. Apesar do aumento, os números estão abaixo de anos áureos: em 2013, foram 27,8 mil lançamentos, diz o Secovi-SP.
     
    O que esperar em 2019
    Serviços e áreas comuns: Com a alta dos compactos, de pouca área privada, as construtoras apostam nas áreas comuns, com espaços de coworking e coliving, lavanderias coletivas e até compartilhamentos de veículos. As empresas ainda devem oferecer serviços como personal trainer e diarista.
     
    Locações: O aluguel deve se consolidar, com preços atrativos. Segundo a pesquisa mensal do Secovi-SP de locação residencial na capital, no último ano o preço médio do aluguel teve variação negativa (- 0,01%).
    14/01/2019
    8 / 1

    O que esperar de 2019 no setor imobiliário?

  • Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus