• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    27/12/2018 08h57 - Atualizado em 27/12/2018

    Meio Ambiente

    Da Redação
    A falsa sustentabilidade
    A pressão da sociedade, preocupada com o impacto da cadeira produtiva no meio ambiente, faz a indústria – inclusive a automobilística – procurar alternativas para reduzir as consequências dos efeitos provocados pela produção, que vai da exploração da matéria prima, passando pelos fornecedores, processos, uso de materiais adequados, economia de energia e água na indústria até chegar ao final do ciclo de vida do produto (do ponto de vista ambiental), com a reciclagem e a destinação correta à sucata.
     
    Sem benefícios
    Mas muitas empresas utilizam a estratégia de investir em ações que podem gerar imagem positiva junto ao consumidor, abusando das palavras eco e sustentabilidade. E muitas vezes os produtos não são exatamente o que é anunciado: eles não trazem necessariamente benefícios ao meio ambiente. A palavra, de origem inglesa, que indica a injustificada apropriação de virtudes ambientalistas mediante o uso de técnicas de marketing e relações públicas é “greenwashing”.
     
    Consumidor induzido
    Muitas empresas criam uma imagem ecologicamente responsável dos seus produtos, mesmo que nada nele contenha de materiais ou processo sustentáveis. Em alguns casos, apenas uma referência, no nome ou na embalagem, pode induzir o consumidor a pensar se tratar de um produto ecológico.
     
    Apelo ecológico
    A prática do greenwashing pode ser registrada nos rótulos das embalagens que contém certo apelo ecológico, mas sem uma explicação plausível, como “produto certificado”, “produto ambientalmente correto, produzido com material reciclado, menor impacto ambiental, mas tudo sem dar explicações claras sobre essas eventuais vantagens.
     
    Proteste
    A Proteste, associação de consumidores, analisou produtos, uma vez constatada a prática de geenwashing, fez a denúncia ao Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária (Conar). No setor automobilístico foi constatado o uso indevido da palavra eco para sugeria pretensos avanços mecânicos da área ambiental; promessa de economia de combustível e baixa emissão sem comprovação e a disseminação de pneu verde. A indústria se preocupa cada vez mais com a preservação do meio ambiente, porque isso é uma exigência da sociedade, cria uma boa imagem junto ao cliente e consequentemente traz dividendos. E é preciso aplaudir as boas práticas, mas o cidadão deve ficar atento e saber diferençar as verdadeiras ações ambientalmente corretas da greenwashing.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus