• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    05/12/2018 08h28 - Atualizado em 05/12/2018

    O posicionamento crítico de Ana Cañas

    Em parceria com Arnaldo Antunes, o rapper Sombra e Chico Chico, a cantora lança disco que dialoga com o feminismo e outras causas

    Quinto álbum de Ana Cañas, Todxs foi coproduzido por Ana e Tiago Barromeu, também guitarrista da banda da artista, o novo trabalho marca a estreia independente da cantora e compositora, que, antes, gravou pela Sony Music Brasil e pela Som Livre. Ana agora é representada por seu próprio selo, Guela Records.
     Como sugere o título (lê-se “todes”), grafado com o X que representa a equidade nominal de gêneros, o álbum tem inegável conotação política e social, característica antecipada em 2017 com o single Respeita e o videoclipe de respeita, de forte temática feminista. Quem acompanha a artista nas redes sociais, sabe que Ana tem um posicionamento regular de militância por causas sociais e empoderamento da mulher, algo perceptível desde a impressionante imagem da capa, que mostra uma serpente, de presas prontas para um bote, sobreposta às pernas e uma genitália feminina.
     Com arranjos sofisticados, uso elegante dos timbres do clássico piano elétrico Fender Rhodes (alguns tocados por Ana) e do orgão Hammond B-3 (pilotado por André Lima, que também conduz Rhodes e synths), o álbum conta com duas participações: de Chico Chico, o jovem cantor e compositor que é filho de Cassia Eller; e do rapper Sombra, do grupo. SNJ, que divide vocais na faixa que intitula o álbum. Todxs, a composição, também ganhou videoclipe dirigido pelo coletivo Farpa e divulgado em conjunto com o lançamento do álbum.
     Com o intuito de retratar o poder da sexualidade feminina, a imagem é de uma cobra dando o bote no meio das pernas de uma mulher. A ilustração representa perfeitamente o momento musical da cantora paulista: corajoso e combativo. “O patriarcado rege a opressão da mulher de várias maneiras, inclusive calando nossa sexualidade. É um cerceamento político. A gente tem que derrubar esse sistema”, afirma ela.
     As 12 faixas do disco dialogam entre si, trazendo mensagens sobre o feminismo, a comunidade LGBTQ e outras lutas sociais. Com algumas músicas escritas por Arnaldo Antunes, o álbum também tem participações do rapper Sombra e de Chico Chico, filho de Cássia Eller. Gravar de maneira independente, conta, foi uma decisão libertadora: “Tenho boas relações com as gravadoras em que já trabalhei, mas como o intuito era falar de forma muito aberta, mandando um papo reto, não queria ter que ficar me justificando para nenhum diretor artístico. Julguei necessária essa liberdade no processo criativo”.
     Em Lambe-lambe, uma das principais faixas, a cantora dá o recado: “Não se apavore com uma mulher que goza/ Evolução chegando pra geral/ Aceita o poder que o prazer é sempre igual/ Paga de foda, damo risada/ Aprende aí como se faz”. Ana acredita que a invisibilização do prazer da mulher se relaciona diretamente com o apagamento da voz e do pensamento feminino. “Mulheres que já estiveram em relacionamentos heterossexuais sabem que a maioria dos homens nem tenta de fato dar prazer à parceira. Quando a mulher fala do próprio corpo, da própria sexualidade, ainda choca, é tabu. Essa é uma das manifestações da opressão machista, que é muito maior e mais complexa”, garante.
     Outro tema caro à cantora é a questão da autoaceitação corporal. A artista, que já declarou ter tido bulimia durante a adolescência, diz que, nos últimos anos, começou a estudar com profundidade o conceito de bodypositive (acolhimento de todos os corpos). “Existe um padrão, também atrelado ao consumo, que faz com que as mulheres comprem produtos de beleza desesperadamente. O que o sistema impõe é muito medíocre, pobre e absurdamente preconceituoso”, afirma. Em seu Instagram, Ana posta e escreve com frequência sobre a relação com o próprio corpo.

    Referências
    Como referência, ela cita os nomes de Nina Simone, Gal Costa, Rita Lee e Mariana Lima. “Isso musicalmente… As minhas principais ídolas, na verdade, são mulheres que moram na quebrada, foram abandonadas pelo marido, sustentam os filhos na raça e ainda pegam dois ônibus por dia para trabalhar fora. Digo o mesmo das lideranças de ocupações (muitas são mulheres).”
     A paulista conta que passou os últimos dois anos, desde o impeachment da presidente Dilma Rousseff, aproximando-se de movimentos sociais. Ela contabiliza cerca de 40 shows voltados para grupos de resistência. “Foi um lugar de muito aprendizado. Isso, para mim, é a verdadeira democracia: sublimar esse abismo social gigante que a gente vive e estender a mão, entender que a realidade do outro também é a minha.” Para Ana, a arte é justamente o espaço de debates e questionamentos: “Resolvi sair do posto de espectadora e usar o meu lugar de visibilidade para somar nas causas que dialogam com a minha música. Acredito muito naquela frase da Nina Simone: ‘Eu não posso ser uma artista e não refletir o meu tempo’”.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2018 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus