• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    29/11/2018 08h00 - Atualizado em 29/11/2018

    Versão romântica do universo teen

    Longa de Bruno Garoti é construído como uma fábula adolescente, repletA de licenças poéticas ora funcionais

    Baseado no livro homônimo da escritora Thalita Rebouças – que chega a fazer uma pequena participação no filme –, Tudo Por Um Pop Star, que estreia hoje no Cine Roxy, em Passos, fala sobre a idolatria de três adolescentes, Gabriela (Maisa Silva), Manuela (Klara Castanho) e Rita (Mel Maia), pela boy band norte-americana Slavabody Disco Disco Boys. O cineasta Bruno Garotti, que havia feito um bom trabalho ao abordar a juventude em Eu Fico Loko (2017), aqui centra sua atenção na amizade das meninas, oferecendo soluções criativas para determinadas circunstâncias, como o clipe inicial que, ao mesmo tempo, apresenta o fascínio das protagonistas por seus ídolos e demonstra a força dos laços que as unem.
    Aliás, o longa-metragem é construído como uma fábula adolescente, repleto de licenças poéticas ora funcionais, ora encaixadas a fórceps dentro da l&oac ute;gica interna, dinâmica não estritamente aferrada ao realismo. O primeiro empecilho para as tietes finalmente realizarem o sonho de conhecer os garotos famosos é convencer seus pais a deixarem-nas ir ao Rio de Janeiro para o show que eles farão por lá.
    Para desatar esse nó, em particular, surge em cena Babete (Giovanna Lancellotti), jovem adulta que se identifica com a ansiedade das vizinhas por já ter sido groupie de Justin Bieber. Existe nessa coadjuvante uma dualidade curiosa, pois ela é cultora de meditação, de práticas orientais de relaxamento, adepta de conversas com plantas, mas também possui um lado acelerado. Quanto à Gabriela, Manuela e Rita, elas formam a típica trinca “amigas para sempre”, com o roteiro dando espaço suficiente para que tenhamos boas doses das personalidades de cada uma.
    A primeira é uma espécie de fiel da balança, oscilando entre a coragem e a prudência, fruto de um trabalho discreto, porém bastante funcional, de Maísa Silva. A segunda é a líder, aquela que arrisca mais, a articuladora dos planos da tríade. Já a terceira &eacu te; a cautelosa, delas a mais pé-no-chão. Esse equilíbrio de peculiaridades faz bem ao filme, que transcorre como uma aventura meio inconsequente, mas ainda assim com bons momentos, valorizados pela ourivesaria do trabalho diretivo não refém do banal.
    Tudo Por Um Pop Star possui circunstâncias complicadas, vide o momento em que as protagonistas arriscam a vida para conhecer os famosos. Não bastasse a execução trôpega, com uma utilização de recursos digitais de qualidade, no mínimo, discutível, há a incômoda ausência de um viés crítico. Acaba que a irresponsabilidade além do limite passa como outro excesso considerado natural a quem admira demasiadamente outrem. O investimento na rivalidade feminina na escola, com meninas se encaixando num espaço de vilania, desenhado abertamente, também é algo a ser questionado, especialmente na atualidade, em que conceitos como sororidade estão em voga, justamente, para quebrar vícios. Algumas peças se encaixam com muita facilidade, eventos surgem e somem sem deixar rastros, como a lorota do YouTuber vivido por Felipe Neto. Ali ás, a forma de viabilizar a entrada do trio no show, por meio da viralização de um clipe fofo recheado de declarações de amor, é um dos sintomas da inclinação da narrativa ao âmbito pueril, em que a inocência estabelece as regras.
    Na verdade, a trajetória acidentada das adolescentes para curtir de perto o show dos Slavabody Disco Disco Boys diz respeito à celebração da amizade das protagonistas. Na construção desse percurso claudicante, recursos como a realidade frustrando os sonhos/devaneios são úteis para impulsionar o impacto da sequência final, exatamente quando ela é contradita com noção de oportunidade. Os cantores servem apenas como um objetivo a ser alcançado, o destino que revela a importância do caminho à Gabriela, Manuela e Rita.
    O influenciador digital Felipe Neto interpreta uma caricatura, jovem de olho mais no poder midiático ofertado por seus milhares de seguidores que necessariamente em expressar-se de acordo com sua opinião genuína. O fato dessa figura passar longe da autocrítica é somente um dos sintoma de certa superficialidade atrelada a questões pertinentes. Tudo Por Um Pop Star é ingênuo ao ponto de mostrar estadunidenses 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2018 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus