• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    08/11/2018 08h05 - Atualizado em 08/11/2018

    Camada de ozônio se recupera

    Meio Ambiente

    Camada de ozônio se recupera
      A camada de ozônio, proteção da Terra contra os raios ultravioleta provenientes do Sol, está finalmente se recuperando do dano causado por sprays aerossol e refrigeradores. É o que diz um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) publicado nesta segunda-feira, 5. "É uma ótima notícia", disse Paul Newman, um dos autores do estudo e geocientista chefe no Goddard Space Flight Center, da Nasa. "Se as emissões de substâncias nocivas à camada de ozônio tivessem continuado a crescer, estaríamos sentindo efeitos enormes. Nós conseguimos parar isso."

     

    Proteção
      O ozônio presente na atmosfera terrestre protege o planeta da radiação ultravioleta, que pode causar câncer de pele, enfraquecer o sistema imunológico humano e provocar dano às colheitas, entre outros problemas. Produtos químicos do tipo clorofluorcarbono (CFC), que já foram amplamente utilizados na fabricação de ar condicionado, gás de geladeira, aerossóis, espumas plásticas e solventes, são responsáveis pela destruição da camada. Em 1987, quase 200 países de todo o mundo assinaram o Tratado de Montreal - compromisso de reduzir gradativamente e, eventualmente, extinguir o uso do CFC. Desde 1999, o composto é banido no Brasil.


    Regeneração
      Como resultado dessa política, a parte da camada que cobre o hemisfério norte deve se regenerar completamente na década de 2030, enquanto o buraco do hemisfério sul, que cobre a Antártida, deve desaparecer por volta dos anos 2060. O estudo foi divulgado em conferência da ONU realizada em Quito.


    Situação
      No final da década de 1990, cerca de 10% na parte superior da camada de ozônio estava deteriorada. Desde 2000, entretanto, a camada tem crescido de 1 a 3% por década, diz o relatório. Neste ano, o buraco sobre o polo sul chegou a medir 24,8 km² - aproximadamente 16% menos do que o recorde de 29,6 km² registrado em 2006. Newman diz que, caso o mundo não tivesse se alertado quando ao estreitamento da camada de ozônio, ela teria sido destruída em dois terços até 2065.


    Sucesso
      Mas o sucesso da política de redução dos CFC, ainda é relativo. Para o pesquisador Brian Toon, da Universidade do Colorado (EUA), estamos só no ponto de partida da recuperação da camada. Além disso, uma nova tecnologia detectou o crescimento das emissões de um CFC banido no leste asiático, segundo o relatório da ONU.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus