• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    09/07/2018 08h23 - Atualizado em 09/07/2018

    Preço do leite segue em alta em Minas

     BELO HORZIONTE - Pelo quinto mês consecutivo, foi verificada alta nos preços do leite em Minas Gerais. Em junho, referente à produção entregue em maio, de acordo com os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o valor líquido médio praticado no Estado ficou 3,02% maior que o registrado em maio, com o litro de leite negociado a R$1,32. O aumento está atrelado à paralisação dos caminhoneiros e à menor produção no campo em função da entressafra. A captação de leite em maio ficou 15% menor em Minas Gerais.
    De acordo com os pesquisadores do Cepea, um dos grandes impactos que prejudicou a oferta do leite foi a greve dos caminhoneiros. A paralisação de onze dias, que aconteceu no fim de maio, provocou a interrupção do transporte de leite aos laticínios e agravou ainda mais o cenário de baixa oferta.
    O Índice de Captação de Leite do Cepea (Icap-L), na média Brasil, recuou expressivos 14,4% de abril para maio, acumulando queda de 24,1% no ano. Minas Gerais foi o segundo Estado com maior redução do volume captado em maio, 15,1%, atrás apenas do Paraná, onde a queda chegou a 20%. O resultado, atípico, esteve atrelado ao grande volume de leite descartado ainda nas propriedades.
    Ao longo dos 11 dias da paralisação dos caminhoneiros, cerca de 80% da produção mineira de leite, que é entregue às indústrias, foi descartada no campo por falta de transporte. O percentual corresponde a cerca de cem milhões de litros, o que gerou um prejuízo estimado entre R$120 milhões e R$130 milhões apenas na produção primária.
    A perda em função da greve aconteceu em um período de baixa produtividade em Minas Gerais. Com o avanço da entressafra e o aumento dos preços dos grãos entre abril e maio deste ano, a produção foi prejudicada, elevando a competição entre indústrias para assegurar o fornecimento de matéria-prima.
    Além disso, de acordo com o Cepea, o setor sofre com as consequências dos baixos preços praticados no segundo semestre de 2017, que desestimulou produtores a investirem na atividade e promoveu a redução da captação.
    No Estado, em junho, referente à produção entregue em maio, o preço médio líquido do leite foi de R$1,32, valorização positiva de 3,02% frente ao valor recebido no mês anterior. O valor bruto ficou 2,33% maior no período, com o produtor recebendo em média R$1,44 pelo litro.
    A alta verificada em Minas Gerais também foi observada na média nacional. De acordo com pesquisas do Cepea, o valor líquido do leite subiu 3,3% frente ao mês anterior, chegando a R$1,29 por litro na média Brasil, que é calculada pelos resultados com base nos dados da Bahia, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

    Consumo
    A alta verificada nos preços praticados em junho foi menor que a registrada nos meses anteriores, que girava em torno de 6,7%. De acordo com os pesquisadores do Cepea, apesar da menor oferta, o aumento da cotação foi limitado pelo mercado, uma vez que os consumidores reduziram o ritmo e o volume de compras do leite e produtos derivados. Com a retração nas vendas, supermercados optaram por fazer promoções, fator que limitou a elevação dos preços na indústria e ao produtor em junho.
    Com a oferta de leite limitada e a maior concorrência entre as indústrias para recompor os estoques, a tendência para julho é de nova alta nos preços pagos aos produtores. Os pesquisadores do Cepea estimam que a valorização dos preços será superior à registrada em junho.   

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus