Folha da Manhã
  • Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    16/05/2018 08h31 - Atualizado em 16/05/2018

    Lars von Trier está cruel e volta a Cannes

    Luiz Carlso Merten - Especial para a Folha

    Talvez ontem foi o dia de uma das grandes expectativas de Cannes. Começou com o retorno de Lars von Trier a Cannes, com The House That Jack Built. À noite terá, como num movimentado cartum - espera-se -, Uma História Star Wars. Solo. Von Trier amargou sete anos de exílio do festival, desde que, em 2011, foi considerado persona non grata por declarações polêmicas durante a coletiva de Melancolia. Ao fim de uma divagação sobre o romantismo alemão, o autor dinamarquês disse que chegava a entender Adolph Hitler. Escândalo, escândalo. Foi chamado de nazista.
    Ei-lo de volta a Cannes com seus atores, Matt Dillon e Bruno Ganz, mas sem direito a coletiva. O festival deve estar querendo se resguardar. Para falar com Von Trier, o repórter do Estado terá de esperar até a quarta-feira. The House That Jack Built passa-se ao longo de 12 anos, acompanhando as atividades de um serial killer. Numa cena, ele grita que matou 60 pessoas, e está prestes a assassinar a 61ª. A polícia, advertida, não leva a sério e o crime consolida-se. Von Trier divide seu relato em cinco ‘incidentes’. O primeiro envolve Uma Thurman, que Jack/Dillon encontra numa estrada deserta. A roda enguiçou, o macaco (ferramenta) não funciona. Uma insiste que ele a ajude, mas fica o tempo todo a provocá-lo como serial killer potencial. Quando ele age, de forma muito violenta, alguém dirá que ela mereceu - é o tipo de humor macabro que Von Trier gosta de exercitar.
    Ao longo desses e dos demais incidentes, as feministas vão encontrar mais do que suficientes elementos para protestar contra o machismo do diretor. A desumanidade marca o tom dos episódios - cinco como no filme de Jean-Luc Godard, O Livro da Imagem.
    Von Trier adora uma provocação e carrega no que se espera seja o imaginário de um nazista. Durante todo o tempo ele está querendo construir a casa do título, mas o processo não avança. Na trilha, ele conversa com um misterioso Verge, mas Bruno Ganz só aparece no finalzinho. Graças a uma sugestão sua, Jack finalmente constrói a casa - o horror, o horror. A Casa, o filme, vai dar o que falar, como todo Von Trier. Esteticamente, é uma obra exigente, avançada. Está longe de ser prazerosa.
    As vítimas de Jack podem gritar por socorro, ninguém a ajuda. No que seria, talvez, o sexto incidente, Verge leva Jack a conhecer o inferno. Antes disso, o diretor já mostrou que o inferno é aqui, nesse mundo desumano. Só para lembrar, Em Um Beijo Antes de Morrer, de James Dearden, Matt Dillon já interpretou, senão um serial killer, um assassino frio, e cruel.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2018 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus