• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8859-0028

    Passos
    ESCOLHA UMA CIDADE

    Passos

    18º MIN 28º MÁX
    MOEDA
    Dólar Euro Peso Libra Bitcoin
    COMPRA
    R$ 3,34 R$ 3,74 R$ 0,21 R$ 4,25 R$ 9.389,69
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    20/04/2017 16h26 - Atualizado em 20/04/2017

    Polícia investiga coreano por suposta venda de luta no UFC

    Globo Esporte
    Tae Hyun Bang ficou espantado com o anncio do rbitro de que tinha vencido (Foto: Getty Images)
    Tae Hyun Bang ficou espantado com o anúncio do árbitro de que tinha vencido (Foto: Getty Images)

    A polícia sul-coreana abriu uma investigação a respeito de uma luta ocorrida no UFC Fight Night 79, em Seul, em novembro de 2015. A suspeita é de que o lutador da casa Tae Hyun Bang teria vendido uma derrota para o americano Leo Kuntz, no peso-leve. Porém, o coreano acabou vencendo por decisão dividida (28-29, 29-28, 29-28), mostrando surpresa com o anúncio do árbitro no octógono.

    Agências de notícias do país oriental informaram que Bang é suspeito depois que uma aposta de US$ 1,7 milhão foi feita no americano. O coreano, que teria aceitado um suborno de US$ 90 mil dólares, ainda teria apostada metade da quantia no seu adversário. Mas, horas antes da luta, questionado por funcionários do UFC, temeu pela derrota na organização. Agora, teria procurado a polícia sul-coreana ao receber ameaças de quem o pagou.

    Kuntz, em entrevista ao “MMA Fighting”, relatou ter percebido algo estranho ao ser informado, momentos antes da luta, que tinha passado de azarão a favorito nas casas de apostas.
    - Naquela época, não tinha ideia do que estava acontecendo. Eu não sou um apostador. Quer dizer, gosto de jogar pôquer, coisas assim, mas não sou um apostador de esportes, então não tinha ideia de que era uma grande bandeira vermelha de que algo acontecia para a luta ser arranjada.
    O lutador americano ainda afirmou que em momento algum o UFC desconfiou dele, e que quando soube das apostas na sua vitória acreditou que havia sido descoberta por apostadores alguma lesão do coreano.
    - Para ser honesto, na época, eles conversaram comigo quando eu estava com as mãos enroladas (para lutar). Estamos falando de uma hora ou duas antes de estar prestes a fazer minha caminhada (para o octógono). Nessa hora, realmente não estou pensando em nada. Só estou pensando: “Ei, isso é bom para mim porque estou fazendo meu nome lá fora, mesmo com algo controverso. Isso ainda é bom para mim”.

    Sobre a o desempenho de seu adversário, Kuntz afirmou que não percebeu qualquer movimento de Bang para perder.
    - Para mim, ele não estava lutando como alguém que queria perder. De tudo o que entendi, é que ele ficou assustado com o UFC. Quando o UFC veio falar com ele, entrou em pânico e decidiu não fazer mais isso. E é por isso que ele foi à polícia agora, porque está temendo por sua vida e sua segurança, então foi à polícia sul-coreana. Mesmo que ele esteja sob investigação, também. Aparentemente, ele estava com mais medo do UFC do que desses mafiosos a quem estava associado (...). Não acho que ele percebeu que ganhou a luta até que acabou. Eles anunciam a decisão dividida, levantam as mãos e ele estava chocado.
    Ainda na entrevista ao MMA Fighting, Kuntz diz que não foi contatado pelo UFC ou pela polícia sul-coreana sobre ocorrido, mas admite que uma chamada perdida em seu celular, de um número internacional, estaria relacionada ao caso.
    Leo Kuntz deixou o Ultimate depois dessa derrota em Seul. Antes, tinha perdido na sua estreia na organização. Com um cartel de 18 vitórias, três derrotas e um empate, o americano só voltou a lutar em fevereiro desse ano, quando venceu no Road FC, evento sul-coreano.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8859-0028

    © 1984 - 2017 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus