CineRoxy promove sessão inclusiva pela primeira vez

"O REI LEÃO" VAI GANHAR UMA SESSÃO INCLUSIVA NESTE SÁBADO, 10, ÀS 10H, VOLTADA PARA FAMÍLIAS COM PESSOAS COM ALGUMA DEFICIÊNCIA OU TRANSTORNO

09/08/2019
Da Redação
Fernanda Freire

O filme de animação O Rei Leão vai ganhar uma sessão inclusiva nesse sábado, 10. O CineRoxy vai transmitir a aventura em formato e horário especial, para facilitar o acesso de pessoas, que por razão de alguma deficiência ou transtorno as impeçam de frequentar este espaço, seja por filas longas, sensibilidade ao som muito alto ou a penumbra do ambiente. Mufasa, Simba, Scar, Nala, Zazu, Timão e Pumba vão divertir o público a partir das 10h.

 

 A idealizadora da sessão, a psicóloga infantil Andréa Reis de Souza, comentou que a ideia surgiu da vontade de retribuir o carinho que recebe todos os dias das crianças e familiares com os quais convive. “Que preenchem minha vida de afeto, carinho e aprendizado, além da vontade de levar a inclusão para outros espaços da nossa cidade e não só nas escolas como de costume. Assim, podemos possibilitar o lazer que é tão importante para todos”, acrescentou a psicóloga.

 

 Pela primeira vez no Roxy, a sessão especial é também inédita na cidade, afirma Andréa. “E esperamos que com este primeiro passo aconteça mais movimentos como estes, mas não somente nos cinemas, mas também em peças teatrais, atividades em parques e outros eventos. Espero que este seja o primeiro de muitos”, almejou.

 

 A psicóloga infantil disse que a realização do evento só foi possível com a ajuda da Associação dos Pais e Amigos dos Autistas de Passos, da pedagoga e equoterapeuta Leticia de Oliveira Barbosa e o CineRoxy, “que abraçaram o projeto, e a todos os pais das crianças e adolescentes que atendo que não mediram esforços para me incentivar neste sonho de realizar uma sessão de cinema adaptada aqui na cidade”, somou.

 

Embora não tenha estimativa de público, por essa ser a primeira experiência com a sessão inclusiva, os organizadores da sessão afirmam que gostariam que “todas as pessoas que já tiveram vontade de levar seus filhos, irmãos e familiares no cinema e por algum motivo optaram por não levá-los, se sintam convidados para este momento, uma vez que esta sessão foi pensada para eles. Lembrando que será sujeito a lotação do espaço”, alertou.

 

Adaptação

Além do ambiente ser adaptado na iluminação e com sons mais baixos para melhor divertimento de crianças e pais, “os familiares podem ficar à vontade para levantar, sair da sala e voltar quando quiserem, sem aquela sensação de incomodar o próximo. O importante é que elas desfrutem deste momento, que foi preparado com muito carinho para elas”, apontou Andréa.

 

A oportunidade, acredita a psicóloga, vai promover mais momentos de lazer para estas famílias e ainda, pode conscientizar a sociedade sobre a importância da inclusão, possibilitando uma sociedade com pessoas mais saudáveis emocionalmente e trazendo a reflexão sobre diversidade e respeito.

 

Empolgada com a sessão inédita, Andréa se colocou a disposição para quem tem vontade de realizar algum projeto com a inclusão em seu espaço ou evento e precise de alguma orientação de como fazer. “Pois são através de ações simples que será possível fazer um mundo melhor, começando pela nossa cidade”, considerou.

 

Milésima vez

O clássico O Rei Leão, nas antigas versões de desenho animado, acompanhou muitas gerações de crianças, hoje já adultas. Com Danilo Caetano de Sousa, de 22 anos, também foi assim.

 

Ele, que tem síndrome de Down, é apaixonado pelo longa-metragem desde pequeno e perdeu as contas de quantas vezes assistiu ao filme. Quando soube que teria a oportunidade de ver seus personagens favoritos na tela grande do cinema, foi só emoção.Quem o acompanhou nessa aventura foi sua tia, a gestora administrativa Renata Aparecida de Sousa e o namorado, e o passeio da família teve direito até a balde de pipoca personalizado -que agora é o grude de Danilo, segue ele por toda a casa.

 

Eles assistiram, a convite da Folha da Manhã, ao filme no cinema, em uma sessão normal. “Meu sobrinho é doido com O Rei Leão, a mãe dele tem que comprar vários DVD’s do desenho e deixar guardado, porque ele assiste o dia inteiro e com o frequente uso, vai riscando né, então tem que deixar alguns de reserva para quando precisar trocar”, comentou Renata. Depois dos comerciais, quando o filme começou na imensa tela do Roxy, “ele ficou doido, porque nunca tinha ido ao cinema, não parava de suspirar e nos mostrar a tela, para ter certeza que a gente também estava vendo, foi muita alegria”, lembrou a gestora.

 

A previsão de Renata é que consiga também acompanhar novamente o sobrinho na sessão inclusiva no sábado, 10. “Estamos planejando ir de novo. Vai ser diferente a experiência de assistir ao filme em uma versão adaptada, que foi pensada e planejada com cuidado para ele. Essa inclusão é muito importante, pois amplia a oportunidade até para aqueles que nunca foram ao cinema”, avaliou.