Jurados avaliam 3ºFNTP como surpreendente

OS PROFISSIONAIS LIGADOS AO TEATRO SANDRA PARRA, MATEUS FACONTI E TOM RESENDE AVALIARAM A TERCEIRA EDIÇÃO DO FESTIVAL COMO DE MUITA MATURIDADE E ORGANIZAÇÃO

31/07/2019
Da Redação
Adriana Dias

Os jurados do 3º Festival Nacional de Teatro de Passos, realizado de 21 a 28 de julho, Sandra Parra, Mateus Faconti e Tom Resende disseram ter ficado surpreendidos com a qualidade do 3º Festival Nacional de Passos. Um evento organizado por voluntários de maneira profissionalíssima, com um público presente e participante e com uma grande integração entre os grupos.


Conforme o santista residente em São Paulo, Mateus Faconti, que é diretor e dramaturgo há 24 anos, nos quais já escreveu mais de 30 peças e dirigiu mais de 40 espetáculos, no 3º FNTP ele teve oportunidade de assistir ótimos trabalhos. Em sua carreira foi agraciado com 24 prêmios, 7 editais, ministrou cursos e oficinas e foi jurado de diversos festivais.


“Em sua terceira edição, o festival já se apresenta com uma maturidade ainda almejada por muitos outros e tenho certeza que com o apoio necessário do governo municipal e estadual, além da participação da iniciativa privada, tem potencial para se tornar um dos maiores festivais do país”, garantiu Faconti.


Para a jurada Sandra Parra, que é atriz e performer, bacharel em Comunicação das Artes do Corpo pela Pontifícia Universidade Católica PUC-SP, Mestre em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais e doutoranda em Artes da Cena pela Universidade de Campinas (Unicamp), pesquisadora da área de teatro físico e atualmente professora efetiva da cadeira de Interpretação do curso de Artes Cênicas da Universidade Estadual de Londrina – UEL, o festival tem sido fascinante acompanhar o crescimento.


“Da primeira para a terceira edição o crescimento foi incomensurável, impossível de medir. Ele cresceu, amadureceu e tem vocação para crescer e amadurecer ainda mais e se tornar um dos melhores e mais importantes festivais do cenário nacional das artes cênicas. Com certeza. O festival é fundamental para a construção da identidade da arte, não só de Passos, do Sul de Minas, mas para o Brasil, pela variedade de obras que ele acolhe e de lugares do Brasil que ele recebe. É importantíssimo para a resistência da arte no Brasil”, disse Sandra.


E o jurado Tom Resende, que é graduado em Bacharelado e Licenciatura Plena em Artes Cênicas pela Faculdade Paulista de Artes, formado em Direção Teatral pela SP Escola de Teatro e pesquisador desde 2016 sobre “O Feminino e a Sociedade”, um dos módulos de sua especialização acadêmica, o festival foi marcado pela pluralidade.


“Espetáculos que iam da poesia ao documentário, do clássico ao autoral, com temas que transitaram do feminino ao desvario da cidade grande. E o público contemplado com todas as potencialidades do fazer teatral”, afirmou Tom Rezende.