Quem são os verdadeiros idiotas úteis?

NOSSOS ESTUDANTES ESTÃO MAIS PARA VÍTIMAS DO QUE PARA INOCENTES ÚTEIS

21/05/2019
Esdras Azarias de Campos

Yes, nós temos presidente que lava “roupa suja” do país no exterior. E não é de hoje. Aliás, os filhos do presidente também falam mal de nós lá fora. Um ex ministro da educação do presidente também nos chamou de ladrões de objetos em aviões e em hotéis lá no exterior. E ainda não perdemos nossa posição dos primeiros lugares das listas dos países de maior corrupção do mundo. Fica difícil limpar assim a barra do país e poder incentivar o turismo e até mesmo os investidores externos a se aventurarem por aqui. Outro dia mesmo, o presidente ofereceu as mulheres brasileiras aos turistas que queiram vir fazer sexo aqui no Brasil. A cada dia desse governo falando o que fala do Brasil no  exterior, acaba por confirmar  que de fato não passamos de uma casa da mãe joana. Afinal o próprio presidente do país não mede palavras chulas para falar de seu povo! Triste, mas enfim, um país que tem um governo que fala tão mal assim de seu próprio povo, será que merece o presidente que tem? Bom, diz o ditado que o povo tem o governo que merece, ah, se isto fosse verdade!
Por que fiz esta introdução aí acima? Por causa das declarações do presidente Bolsonaro lá nos States, ao ficar sabendo das manifestações contra os cortes de verbas na educação e universidades. Indagado sobre os protestos que aconteciam nas capitais e grandes cidades do Brasil, o presidente disse que os alunos que estão nas ruas “não sabem nem a fórmula da água” e servem de instrumento político para “uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais”. E não satisfeito, o presidente passou para a humilhação total, chamando a todos de “idiotas úteis, uns imbecis, que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo de muitas universidades federais no Brasil“, afirmou o presidente na porta do hotel onde está hospedado em Dallas. E depois o presidente passou a justificar a medida do MEC. Bolsonaro disse, “Na verdade não existe corte, o que houve é um problema que a gente pegou o Brasil destruído economicamente também, com baixa nas arrecadações, afetando a previsão de quem fez o orçamento e, se não tiver esse contingenciamento, simplesmente entro contra a lei de responsabilidade fiscal. Então não tem jeito, tem que contingenciar”. Espera aí, presidente, “um problema que a gente pegou o Brasil destruído economicamente”? Vossa excelência não sabia disso? Ta vendo o que dá um candidato à presidência não participar de debates, a ficar o tempo todo tuítando a campanha, não estudar a realidade econômica do país, pois é, ganha a eleição e depois se depara com os problemas e aí vem a desculpa esfarrapada. A gente foi pega de surpresa, taokey!
Eu colhi alguns comentários de leitores sobre esta notícia do dia 15/5, que dá bem uma leve dimensão da frustração com este governo já em pleno quinto mês de mandato: 1. “Me dá vergonha como brasileiro pensar na resposta que merece um servidor público que, em outro país, xinga sem peias na língua, os contribuintes que pagam seu salário e defendem ordeiramente a educação, a universidade e a pesquisa”. 2. “O ministro da educação tomou posse ameaçando “caçar comunistas” ao invés de propor melhoras no ensino, cuja má qualidade ele mesmo é vítima. Criou, como todo o governo Bozo, uma política de ameaças, ofensas e enfrentamento contra todos que lhes são contrários. É...  educação derruba mitos. Faz arminha que passa”. 3. “Minha filha apóia as manifestações, que são direito de todo brasileiro, e ela é uma excelente aluna em cálculo, em Física e Química. O pai dela, que sou eu obviamente, tenho um kilo com “k” de formação técnica, universitária, pós-graduação, além de 20 anos de serviços públicos de alta qualidade nos Correios. Portanto, espero que o Sr Presidente da República se retrate nas redes de TV e Rádio (não quero saber de Internet!”!) para explicar que sua fala foi infeliz”. 4. “Fico me perguntando o que passa na cabeça das pessoas que estavam na porta do hotel gritando “mito” e por aqui,              
Os gritos na rua por educação, em defesa dela, me fazem ainda ter esperança no país”.                                                                                                                                         A  propaganda oficial do governo com a frase ”Pátria amada Brasil”, logo, logo, vai perder sentido se o Belsonaro continuar chamando todo mundo que se manifestar contra o seu governo, de “imbecis” e de “Idiotas úteis”. E por outro lado, se continuar governando desse jeito, ainda com  discurso e linguagem de campanha, uma certeza inexorável infelizmente vai acontecer, fazer da eleição que o elevou à presidência a explicitar quem são os “imbecis” ou os “idiotas úteis” do país? Não todos, claro, com exceção da minoria!  Definitivamente, nossos estudantes estão mais para vítimas das péssimas condições dadas à educação, escolas e universidades, do que para inocentes úteis.  
 
ESDRAS AZARIAS DE CAMPOS é Professor de História.