Leitor

21/05/2019
Ricardo Piantino ? Passos/MG E-mail: piantinoricardo@gmail.com

Olhar para a Apac 
E o presidente do DEM de Passos criticando a iniciativa acertada da Câmara de comprar produtos da padaria da Apac? Que cabecinha ruim Jesus. A Apac é uma iniciativa lúcida, humana e não violenta espetacular contra a violência e o melhor modelo para a recuperação de pessoas da cidade, do estado e do país. Basta o vacilo da prefeitura de não assimilar a profundidade e importância disso na prática. Foi apresentado a ela um caminho e a prefeitura não foi capaz de estabelecer uma metodologia para contribuir com uma política municipal para a Apac e fazer a mesma coisa que a Câmara. Eu creio que se pedir uma ata assinada de uma reunião não tem (se tiver pode apresentar aqui, eu tô pedindo o que vereador também não pede), e foram várias reuniões. A Apac perdeu a licitação passada por absoluta falta de vontade política da gestão do município para a questão. Não moveu uma palha no sentido de avançar no diálogo e na ação, deixou correr frouxo e está prestes a vencer o contrato que quem levou foi a iniciativa privada. O prefeito tem nova chance de fazer o que não fez, mover uma palha. Ouvir todos com a máxima atenção sem anotar um ‘A’ não dá. Tem que ouvir, anotar, assinar, sistematizar e fazer.  
 
Ricardo Piantino – Passos/MG 
E-mail: piantinoricardo@gmail.com
 
A importância do jornal
Atravessamos um tempo e redefinições. A entrada de novas tecnologias transformou o mundo na aldeia global prevista pelo escritor décadas atrás. Os novos formatos chegaram, facilitando a vida e, por outro lado, impondo dificuldades a empreendimentos tradicionais, como os jornais impressos. Já tivemos a tristeza de ver o fim de tradicionais publicações e grandes dificuldades para outras sobreviverem. Com isso, corremos o risco de saber, em tempo real, o que acontece em Brasília, Nova York, Paris, Tóquio e outras partes distantes do planeta, mas ignorar a problemática da região, cidade ou bairro onde vivemos, que nos impacta positiva ou negativamente. O jornal, diferentemente do imediatismo rádio, TV e internet, é o veículo que traz as notícias e fatos já apurados e consolidados e os guarda para a história. O governo, que reforma a Lei Rouanet, para evitar que artistas ricos e grandes corporações drenem um recurso destinado a atender aos pobres e iniciantes, deveria voltar suas atenções para a sobrevivência dos jornais. Desonerar e incentivar a atividade que durante tanto tempo impulsionou o desenvolvimento da sociedade. Cada jornal que fecha é um dano irrecuperável a todos nós.               
 
Dirceu Cardoso Gonçalves
São Paulo/SP
 
Meu arsenal
Por falar em porte de armas, tenho um arsenal em casa: uma biblioteca com livros de vários 
calibres.