Mais um ano se passou

Os povos indígenas não são empecilho ao desenvolvimento do Brasil

08/01/2019
Paulo Natir

Nossa, parece que vamos todos derreter neste calor intenso de janeiro. Já estamos no verão do ano de 2 019 - quem diria que o tempo passaria tão rápido? Acho que nem os profetas. O relógio não perdoa os atrasados. Portanto, mãos à obra. Quem sabe faz a hora - sempre com Deus à frente!
É no mínimo vergonhosa a primeira semana do governo Bolsonaro. A turma bateu cabeça a todo momento. A gente espera que seja apenas amadorismo. Principalmente a equipe econômica não pode mostrar tanta falta de sintonia logo na estreia do novo governo. “O presidente só precisa entender logo o que significa de fato a cadeira que ocupa”, avaliou ontem Leandro Colon, articulista da Folha de São Paulo.
Durante a campanha eleitoral o então candidato Jair Bolsonaro (PSL) atacou as minorias por diversas vezes. No poder ele já tomou medidas que contraria os interesses dos povos indígenas.
Porém, felizmente o Congresso Nacional vai contar nessa legislatura com a primeira mulher indígena eleita deputada federal. Joenia Wapichana (Rede-RR) já afirmou que o novo governo brasileiro é um retrocesso e “que os povos indígenas não são empecilho ao desenvolvimento do Brasil”.
Bem, apesar dos pesares vamos rezar muito para o sucesso do governo federal. Os brasileiros não aguentariam mais uma decepção no comando da nação. Vamos ficar vigilantes.
A crise financeira mundial afeta todo mundo. Ninguém está imune às intempéries (crises) da economia. Um dos principais problemas brasileiros em 2 019 é o alto índice de desemprego. 
Quem tem seu emprego garantido precisa se esforçar muito para manter as finanças em dia durante o mês corrente. É um sufoco. Muitas vezes o brasileiro parece fazer mágica para dar conta do recado.
A planejadora financeira Marcia Dessen - autora do livro “Finanças pessoais: o que fazer com meu dinheiro” - disse que já passou da hora das pessoas saberem o que fazer com seu dinheiro. “Coloque sua vida financeira em ordem, organize o presente e prepare-se para o futuro”, aconselha.
A grande e repetida ação que quase todo mundo faz é gastar mais do que ganha. É muito difícil romper esse ciclo vicioso. No entanto, mais que nunca, precisamos de controle. A ordem é mais ou menos assim: controlar, limitar, classificar e priorizar.
Especialistas em finanças pessoais são mais radicais e nos aconselham manter distância dos cartões de crédito e das compras impulsivas pela internet. É muito fácil perder o controle no mercado virtual. Conheço pessoas muito endividadas após se aventurarem em jogatina virtual. Isso é puro pesadelo.  
Para o bem geral vamos ser mais racionais esse ano. Vamos dedicar nosso tempo para aquilo que realmente é importante. É preciso priorizar. Sucesso e paz para todos!
PS - Para dar adeus a grande amiga Maria Fernandes Campos - a dona Maria do Tecidos Bom Preço - que nos deixou na semana passada. Apaixonada pela imprensa, ela sempre me telefonava para discutir o noticiário nacional. Vai fazer muita falta - principalmente na Igreja Presbiteriana de Passos.